O que te deixaria realizado?

terça-feira, 26 de agosto de 2008

O que te deixaria realizado?
  • Jose Ricardo
Muitas pessoas entram na polícia apenas pelo salário ou pela pseudo-estabilidade. Outras, além desses motivos, também querem fazer algo a mais. Cada um tem o seu objetivo, um desejo a realizar. O Sargento Móises era uma dessas pessoas que entrou querendo fazer esse algo a mais. Trancou sua matrícula numa Universidade Federal para ingressar na Polícia Militar na condição graduação de soldado de 2º classe. Ele devia estar doido nessa época, mas, de toda forma, foi aprovado no psicótecnico. Na verdade, como a maioria dos jovens, Moisés queria sentir a adrenalina correndo nas veias. Queria ação.

O jovem e recém-formado Soldado Barros também trancou a matrícula de seu curso superior para ingressar na polícia. Os dois, porém, tinham aspirações diferentes. E era sobre isso que, num final de um desgastante turno de serviço de radiopatrulhamento, os dois conversavam:

- Sargento, por que o senhor não pede para ir para o Grupo de Rondas Táticas? O senhor gosta de abordar; aborda a noite toda.

- Por isso mesmo. Não ia mudar muita coisa se eu fosse para o GRT.

- Lá tem mais ação!

- Mas não é isso que eu quero.

- O que o senhor quer então?

- O que eu quero… Eu queria… Eu nunca falei isto para ninguém, Barros, mas o que me motiva a trabalhar é saber que trabalhamos para a comunidade. Eu queria ser oficial nessa Polícia, sabia?

- Mas o senhor vai ser. Só faltam algumas etapas.

- Se Deus quiser! Mas não é só pelo salário, não. Claro que ele é importante. Vai me garantir uma aposentadoria confortável, uma mudança radical no meu padrão de vida… Eu tenho um sonho também. Seria muito bom, eu me sentiria muito feliz se, por exemplo, depois de um ano que eu estivesse comandando um Pelotão, os índices de criminalidade reduzissem bastante. Eu me sentiria realizado. Cada homicídio que de alguma forma evitamos é uma vida que salvamos, cada criminoso que colocamos atrás das grades representa menos violência.

- Como o senhor iria conseguir fazer isso?

- Claro que não seria fácil, mas se fosse num Pelotão como o nosso, no qual os policiais são motivados e têm disposição para trabalhar, não seria difícil. O segredo é atuar com inteligência. Você sabia que, no ano passado, não teve nenhum homicídio consumado no nosso Pelotão?

- Nenhum!?

- Nenhum! Em todo turno eu reunia as viaturas e fazia operação nos pontos de tráfico. O negócio é incomodar mesmo; da nossa parte, não tem outro jeito. Mas o mérito não foi só meu. Claro que não. O pessoal aqui é bom! Muito bom! Mas nós não conseguimos acabar com o tráfico. E é isso que faz o policial ficar desmotivado e é aí que eu faria a diferença se fosse oficial.

- Como?

- Pra começar, iria mapear os pontos de tráfico. O tráfico desencadeia uma série de outros crimes, a começar pelo homicídio. Depois de mapear as bocas-de-fumo, o negócio é conseguir os mandados de busca e apreensão. Aí que entra o papel do oficial. Conseguir os benditos mandados de busca.

- Só isso?

- Não. Também tem que trabalhar com inteligência, como eu te falei. Você já leu o livro “A Arte da Guerra”?

- Já.

- Sun Tzu já dizia que um exército sem agentes secretos é como um homem cego e surdo. Abordar, abordar e abordar é apenas um paliativo; apenas enxugação de gelo. A gente só prende pé-de-chinelo. Pra se chegar nos grandes, o jeito é colocar o serviço de inteligência na espreita deles. Tem muito peixe grande nesse negócio. Você não viu o Abadia? Quantas mansões o cara tinha, as ligações com pessoas importantes? O cara usava até submarino para levar droga pros Estados Unidos. O negócio é cruzar as informações. Montar um banco de dados, mesmo que seja informal. Reunir os militares e procurar saber quem tá movimentando, como, quando… Colocar o serviço de inteligência pra fazer os levantamentos e dá o pulão. Mas dá o pulão certo, entendeu? Há mais de dois mil e quinhetos anos, Sun Tzu já dizia que, quando um hábil general se põe em movimento, o inimigo já está vencido. Decodificando, é errado ficarmos incursionando e abordando na esperança de pegarmos alguma coisa. O pulão tem que ser certeiro, até para que se diminuam os efeitos colaterais, entendeu? Desmantelar a quadrilha de uma só vez, sem chance de que ela se regenere.

- Ah, sargento, eu queria é trabalhar no GRT. Deve ser muito doido trocar tiro com vagabundo, fazer incursão em favela…

- Verdade. Incursão a gente já faz, Barros, mas sem um objetivo definido fica uma coisa vazia. Incursionar por incursionar não faz muito sentido. Ficar colocando a tropa numa zona de risco sem um objetivo é… - o sargento não encontrou as palavras para terminar a frase.

- Mas deve ser muito louco, sargento.

- Deve ser mesmo. Deve ser muito louco. O papo tá bom, mas já tá na hora de ir ver a família.
Fim 
Se você leu até aqui, por que não dizer o que te deixa ou deixaria realizado? Para fazer isso, clique em comentários ou clique aqui.

Nota: Está é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência.

"É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independetemente de censura ou licença” - Inciso IX do artigo 5º da Constituiçaõ Federal.



Gostou desta postagem? Então cadastre-se AQUI para receber as atualizações do Universo Policial no seu e-mail ou no seu agregador de Feed/RSS.

24 comentário(s):

Dextermilian SD disse...

o que me deixaria realizado em minha vida , concerteza seria a segurança de poder constituir uma familia em paz e sem dificuldades financeiras sendo o meu salário suficiente para o lazer o alimento e a moradia.

Anônimo disse...

Meu maior sonho é um dia ver o homicidio se transformar em crime permanente.

Anônimo disse...

somos a favor que a policia haja com inteligencia, apesar na Policia Militar, no caso desta estoria ficticia, ser semelhante a real. A nossa PM, não deve utrapassar o seu dever constitucional, devemos agir dentro da legalidade, o dever de investigação cabe a Policia Civil, Pol. Federal e ABIM.
PC de Minas Gerais.

Anônimo disse...

Deixamos de hiprocrisia ter salario dignos... equiparado nacionalmente, como foi feito na area da educação. De preferença igual a policia militar do Distrito Federal ou Policia Federal, isto sim, deixaria muitos da caserna satisfeito em trabalhar.

José Ricardo disse...

Me ensinaram que a PM poderia investigar a criminalidade, fazendo levantamento de bocas-de-fumo, locais de homízio, integrantes de quadrilhas, etc.

Claro que a investigação do crime cabe aos órgãos citados (PF, ABIN, PC e outros).

Mesmo que não seja atribuição da PM investigar a criminalidade, ela poderia trabalhar em parceria com esses órgãos.

Eu acho que, trabalhando com inteligência, com informações precisas, a eficiência do serviço aumenta consideravelmente. Ou o certo é realmente abordar na esperança de prender alguém ou de apreender objetos ilícitos (drogas, armas, etc.)?

"Um exército sem agentes secretos é como um homem cego e surdo". - Sun Tzun

Wemerson disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Ficaria realizado quando estivesse comprovado que o Brasil é um local seguro, longe de crimes, onde a população confia na polícia

Anônimo disse...

... Ser FOrmado Pela Academia do Barro Branco!

Anônimo disse...

Sabe o que me deixa satisfeito? É trabalhar com profissionais competentes que se importam com o tipo de trabalho que realizam, melhores do que eu para poder aprender com eles.Que mesmo ganhando pouco, ou ralando muito ou pouco, amam o que fazem pois estão na profissão por opçao e por gostarem do que fazem.É chegar em casa se olhar no espelho e não ter vergonha do que se vê. Alguns @#%*@*&+%¨¨$#@ como toda e qualquer profissão entram só por pela aposentadoria, beneficios etc e são o cancer da instituiçao so sabem reclamar e nao fazem nem o mínimo de sua obrigação e nada fazem para mudar nen que seja uma coisa pequena, mínima.Enfim quem é da Policia e gosta sabe o que estou falando agora quem tá aí só pelo salário é um coitado, pois ficar 30 anos fazendo que não gosta deve ser uma #$%&*@ mesmo rsssssssssssssss.

José Ricardo disse...

Realmente, muitos usam a Polícia como trampolim, ou apenas se acomodam e só querem as benesses. Como mudar isso?

Anônimo disse...

Uma vez me falaram e acho que vale a pena repetir, não foi um policial mais sim um senhor de 70 anos e lá vai borracha. Me disse que quando a pessoa entra já sabe o salário que vai ganhar, e o tipo de serviço que vai fazer, ninguém foi trazido a força para a instituição. Temos problema? Claro! Mais qual instituiçao na atual conjuntura hoje no Brasil que não apresenta deficiências.Alguns simplesmente se escondem atrás desses problemas e ficam o tempo todo como um circulo vicioso falando deles enquanto a sociedade que não tem nada com isso fica aí pagando o pato. Somos pagos pela sociedade para prestar um serviço durante aquelas horas que estamos empenhados ou não. Conheço pessoas que entraram na PM ontem e já estão pior que praça veio como diz o pessoal da antiga, se aqui tá ruim lá fora ta pior ainda tenho varios amigos que a anos tentam entrar e não conseguem, e emprego aí fora nao está mole não quem veio do meio civil sabe disso.

José Ricardo disse...

Embora toda instituição apresente deficiências, devemos lutar para saná-las. Claro que isso não é desculpa para que o profissional desempenhe mal o seu trabalho.

Anônimo disse...

O que me deixaria realizado, é um cidadão olhar para um papa maike e saber que alí é uma pessoa que em que ela possa confiar.

Anônimo disse...

Todo trabalho policial deve ser realizado com inteligência, respeitando os irmãos de farda e para mim principalmente sentir que está sendo útil, protegendo e auxiliando pessoas indefesas. Temos também que reportarmos às nossas condutas na vida particular, inclusive dando apenas bons exemplos, não vivendo uma vida de bêbado e sem responsabilidades e ao colocar a farda, tentar exigir de um paisano a responsabilidade que você não tem.

Anônimo disse...

O infrator não quer saber de qual policia e a legalidade de fazer levantamento ou investigação. Quando a policia federal subiu em um aglomerado no Rio de Janeiro para cumprir mandado de busca e ficou sitiada pelos infratores qual policia deu apoio na retirada. BANDIDO E BANDIDO E PRONTO. O cidadão ordeiro quer e proteção, e não vaidade.

Anônimo disse...

Tenho uma década de serviço todos na rua e me deparei com várias situações complicadas. Vejo que a sociedade na atual conjuntura clama por segurança, mas de forma hipócrita fica dificultando o trabalho da polícia. Exemplo clássico quando um policial dá voz de prisão a uma pessoa que cometeu um ilícito penal e esta resiste. Uma boa parte é contra a nossa ação dizendo que somos arbitrários e covardes. Como polícias é notícia aí não precisa nem falar mais nada. Numa das ocorrências, testemunhas chegaram nos intimidar dizendo que iriam estar do lado do marginal e fariam tudo para nos prejudicar em âmbito judicial. Só que como não somos bebês, fizemos tudo como manda o figurino e nada nos aconteceu, ou seja, trabalhamos com segurança e dentro dos limites da Lei. Uns dos nosso meio ficam por aí a fora dizendo que a Polícia,que nada os temos mudaram e queira ou não temos que adaptar ao meio. Se criaram Leis que só beneficiam os marginais, vamos combatendo da forma que podemos. Antes de tudo temos que agir com razão e não com a emoção, caso contrário, o policial inocente estará sendo um presa fácil de sindicâncias,IPMs, prisões e exclusões. Deixando a mercê disso tudo os seu familiares. Isso não significa trabalhar desmotivado e sim trabalhar com inteligência.Fugindo desse assunto,sei que aí fora os salários não estão bons, mas merecemos um aumento de salário conforme estão pregando na PEC 300. Isso sim é valor o profissional que somos. Rios e rios de dinheiros são desviados e CPI's que não dão em nada ocorrem a todo momento. Concluindo, não me sinto desmotivado em desempenhar o meu papel como Policial Militar até mesmo porque que cai na rotina, estado branco, corre o risco de ter a sua vida ceifada. Acredito a cada dia numa polícia melhor e mais companheira, porém vamos deixar de bobagem achando que o estado ou a União vão quebrar com o aumento de nossos salários. Conforme um jornal diário local tem vereador ganhado um vez por ano um auxílio paletó no valor de R$18.000,00, o quê vocês me dizem???????????????????

Anônimo disse...

EU ME SENTIRIA REALIZADA SE PASSASSE EM UM CONCURSO DA PMMG.POIS,ADORO ADRENALINA E MUITA AÇÃO,APESAR DE SER UMA PROFISSÃO DE RISCO.MAS,ESTÁ NAS VEIAS, NO SANGUE.


ABRAÇOS Á TODOS!

Anônimo disse...

JUNIOR-MG. FICARIA REALIZADO, SE EU CONSEGUIR PASSAR NO CONCURSO DA PMMG E ME FORMAR SOLDADO DE 1° CLASSE.
É UM SONHO QUE ESTOU LUTANDO PARA CONSEGUIR ALCANÇA-LO, TENHO 19 ANOS, JÁ TENTEI 2 VEZES E NÃO CONSEGUIR, MAS COM FÉ EM DEUS UM DIA IREI CANTAR VITÓRIA!!
DESEJO O MESMO PARA JOVENS COMO EU, QUE ALMEJA ENTRAR NESTA GLORIOSA FAMÍLIA DA PMMG!

Anônimo disse...

Sou Sgt da PMBA e a aproximadamente 2 meses, assumi o comando de um destacamento que vivia num clima de guerra. Os marginais passaram a dominar a cidade chegando ao ponto de trocarem tiros no centro, também era comum brigas entre grupos de adolescentes, o que criava um clima de guerra, fatos que ocorriam principalmente nos finais de semana. Diante deste fatos passamos a fazer incursão com rondas e abordagens nos pontos mais críticos o que propocionou um clima de tranquilidade para a população. Hoje os resultados são visíveis, isso a gente sente no semblante da povo, o que de certa forma nos deixa realizado, além dos elogios que a população nos faz diariamente, bem como a redução em mais de 80% das ocorrências policias. Como o colega relator, o que nos falta é mapear os pontos de venda de droga (boca-de-fumo)e é claro,a gente só consegue com um serviço de inteligência eficaz. Isso sim, me deixaria muito mais realizado.

Anônimo disse...

nós policiais, precisamos de ingeções de animo, recompensa e motivação, mais consistente e significativas.

Ramon disse...

É de alguns textos assim que procuro manter minha motivação e foco no concurso... é um sim... e o que me deixaria motivado ao ser Policial Militar é a honra no combate ao crime... mesmo que eu tivesse que dar a minha vida em prol de uma de um inocente.

Anônimo disse...

Para falar a verdade tenho vontade de ser policia(tenho 15anos)mas nao tenho vontade de "defender" a população,pois a maioria parece que nao da valor no trabalho da PM mas tenho vontade de subir morro, troca tiro, prender grandes qtd d droga,piotar a viatura com a adrenalina la em cima... e por ae vai, sei que estaria protegendo a população de uma forma ou de outra,mais naos seria meu principal objetivo,nem toda a populaçã é assim ,mas a maioria infelismente e continem postando incurssões nos morros
vlw grande abraço

Anônimo disse...

eu ficaria feliz se todos os militares leia essa carta muita coisa seria resolvida meu sonho e ser um policial mas abraço

Anônimo disse...

Com todas as dificuldades que possuo, o que me deixaria realizado, sem sombra de duvidas seria a minha vitória, seria gratificante olhar para trás, e ver por tudo que eu passei.. Um dia chegarei lá

Postar um comentário

Comentários - Regras e Avisos:
- Nosso blog tem o maior prazer em publicar seus comentários. Reserva-se, entretanto, no direito de rejeitar textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional.
- O comentário precisa ter relação com a postagem.
- Comentários anônimos ou com nomes fantasiosos poderão ser deletados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.
- Clique aqui e saiba mais sobre a política de comentários.

 
Os pontos de vista aqui publicados são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando versões oficiais de quaisquer instituições.
© 2007 Template feito por Templates para Você - Deformado por José Ricardo
▲ Topo