Um dia de um PM

sábado, 9 de agosto de 2008

Um dia de um PM

* Jeremias Moreira

O motor ruge e a viatura sai me permitindo sentir, mais uma vez, os efeitos da inércia. Sinto-os de forma praticamente imperceptível, pois o costume me deixa quase alheio a eles.

Saímos do quartel e um novo mundo, uma nova realidade se descortina à nossa volta. O rá­dio não pára de dar notícias de ocorrências de toda natureza: assaltos, furtos, brigas diversas, socorro a alguém ferido, perseguição a algum fugitivo; uma viatura pede o QCL (almoço ou lanche) enquanto, numa esquina qualquer, um PA (policial a pé) dá uma informação a alguém.

Por onde passamos somos alvos de olhares diversos: de aprovação e de reprovação, de des­dém e de carinho, de ódio e de amor, de confiança e de temor; uns se alegram e outros se assustam conosco; uns, ainda, se sentem seguros e outros, infelizmente, não. A minoria, graças a DEUS.

Pelos guetos nos acostumamos com a mi­séria da mendicância e também com a sua imundície e mau cheiro. Pessoas há dias sem comer e, talvez, há anos sem tomar um banho sequer, a não ser o da chuva e, isso, quando não acham uma marquise ou um viaduto para se esconderem das águas provindas do céu. Com o tempo dá para sentir a sensibilidade se esvaindo aos poucos…

Nos semáforos os pedintes e vendedores nos evitam, assim como os bandidos e, enquanto ali estamos, eles não atuam…

Entramos na viatura sob os mais diversos tipos de olhares e, como se não fôssemos daquele mundo … Mas isso pouco ou nada nos importa. Estamos e estaremos sempre por ali, querendo eles ou não. No fundo, no fundo sabemos que, de uma forma ou de outra a nossa presença faz bem…

Chegamos ao topo da cadeia alimentar. Clas­se alta, um Mangabeiras da vida. Só a calçada das mansões é maior que o lote onde está meu “bar­raco”. Ruas desertas e nada de mendigos, prosti­tutas (pelo menos em seu tipo mais popular) ou camelos. … Basta um breve toque na sirene da viatura e algumas luzes das mansões se acendem e, em quase todos os portões ou guaritas dos muros, surgem brutamontes em ternos escuros para verificarem o que está havendo..., rs...

Quanta disparidade…

Resolvemos adentrar em alguma favela; uma mais tranquila, onde os traficantes ainda não do­minaram (Em Belo Horizonte ainda temos fave­las assim, pode acreditar!). Dizem que até o latido dos cães é diferente quando a gente chega. Será?!? Um foguete é solto, um assobio se ouve entre os becos. As vezes percebemos um ou mais vultos desaparecendo na penumbra de algum beco.

Paramos em algum ponto estratégico; um bar ou uma mercearia, padaria. Na maioria das ve­zes “ganhamos” um lanche. As crianças nos ro­deiam com olhares brilhantes e fixos nos revól­veres e demais armas; algumas mocinhas de­monstram-se admiradas com a “farda”; os ve­lhos vêm com as suas histórias da “polícia de antigamente” e, os adultos, na maioria, nos olham firme e friamente nos olhos; alguns, muito pou­cos, ainda esboçam um sorriso ou um aceno de cabeça. Eu, em particular, correspondo…

Estamos ali. Houve dias que não gostava de ser um PM, porém hoje amo isso. Estamos ali… Nós contra quase tudo e quase todos… Estamos ali… Vibrando e prontos a dar a resposta espera­da, ou não, para a sociedade e para o “quarto poder”. Estamos ali e sempre estaremos… Sem­pre… Mesmo com toda a nossa limitação, todos sempre poderão contar conosco.

Jeremias Moreira, Oficial da PMMG



Gostou desta postagem? Então cadastre-se AQUI para receber as atualizações do Universo Policial no seu e-mail ou no seu agregador de Feed/RSS.

2 comentário(s):

Anônimo disse...

Policiais. Avante!!!!!

wener disse...

Que bom poder ouvir isto, é o primeiro blog que eu vejo dizer tao bem assim da policia, parabens policiais militares por nos proteger!!! :D

Postar um comentário

Comentários - Regras e Avisos:
- Nosso blog tem o maior prazer em publicar seus comentários. Reserva-se, entretanto, no direito de rejeitar textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional.
- O comentário precisa ter relação com a postagem.
- Comentários anônimos ou com nomes fantasiosos poderão ser deletados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.
- Clique aqui e saiba mais sobre a política de comentários.

 
Os pontos de vista aqui publicados são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando versões oficiais de quaisquer instituições.
© 2007 Template feito por Templates para Você - Deformado por José Ricardo
▲ Topo