Polícia Militar: garantia dos direitos fundamentais

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Marcelo, leitor do blog, nos brinda com mais duas excelentes redações. Vale a pena conferir.

Supremo restringe uso de algemas
Publicada em 07/08/2008 às 23h39m
Bernardo Mello Franco - O Globo; O Globo Online
É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.

BRASÍLIA - O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira impor regras rígidas ao uso de algemas no país. Os ministros estabeleceram que os presos só poderão ter as mãos imobilizadas em casos excepcionais, que incluam ameaças concretas à segurança alheia. A decisão deve ser transformada em regra na próxima semana, quando a Corte editará uma súmula vinculante estabelecendo limites ao uso de algemas em ações policiais, transporte de presos ou julgamentos 
 
O debate foi levantado durante um julgamento em que o STF determinou a libertação de um pedreiro condenado a 13 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado. Ele alegou ter sido vítima de constrangimento ilegal ao ser julgado de algemas, o que teria influenciado a decisão do júri popular. O ministro Cezar Peluso fez uma defesa incisiva do preso, condenado em Laranjal (SP).
- Se a opinião pública pode ser influenciada a alguém exposto ao uso de algemas, o que dizer de um júri da pacata cidade de Laranjal, no interior paulista? - questionou. 
 
O argumento foi aceito por unanimidade, apesar do parecer contrário à anulação do julgamento apresentado pelo procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza. Ao dar seu voto, o relator da ação no STF, ministro Marco Aurélio Mello, fez críticas indiretas à ação da Polícia Federal nas prisões do ex-presidente do Senado Jader Barbalho, do ex-prefeito paulistano Paulo Maluf e do ex-banqueiro Salvatore Cacciola. Sem citar o nome dos acusados, ele classificou o uso de algemas em Jader de "presepada".
Autor de críticas duras ao uso de algemas na prisão do banqueiro Daniel Dantas na Operação Satiagraha da Polícia Federal (PF), o presidente da Corte, Gilmar Mendes, disse que as novas regras valerão para presos ricos e pobres. 
 
Presidente da OAB comemora decisão do STF
 
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, classificou como "decisão histórica para a cidadania e que honra o Estado Democrático de Direito" o resultado do julgamento. 
 
- A decisão foi um claro aceno de que é necessário respeitar os princípios fundamentais estabelecidos na Constituição Cidadã - afirmou Britto, destacando o fato de o STF ter se fundamentado, para tomá-la, nos princípios da presunção da inocência, da proporcionalidade e da dignidade humana e de que ninguém pode ser condenado sem sentença com trânsito em julgado. 
 
CCJ aprova projeto que proíbe uso de algema em prisão sem resistência
 
Na quarta-feira, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou, também por unanimidade, o projeto que regulamenta o uso de algemas . De acordo com a proposta, no ato da prisão de suspeito ou condenado que não oferecer resistência aos policiais e nos casos onde não haja risco de fuga do acusado ou de ameaça aos agentes públicos poderá ser proibido o uso de algemas. A matéria ainda precisa ser votada em turno suplementar na CCJ. 
 
A medida aprovada na CCJ consta no substitutivo do senador José Maranhão (PMDB-PB) ao projeto apresentado por Demóstenes Torres (DEM-GO). No texto, são detalhadas as situações em que o uso da contenção é autorizado, como flagrante delito, transporte, condução e transferência de presos. Fica vedado o uso de algemas por tempo excessivo e como forma de castigo, além da proibição do uso do instrumento quando o investigado se apresentar espontaneamente à autoridade policial ou judicial.  

Diante da reportagem retirada do jornal O Globo Online, produza um texto dissertativo acerca do seguinte tema: Restrição no uso de algemas e garantia de um Estado Democrático de Direito


Polícia Militar: garantia dos direitos fundamentais
 
              No dia em que o Supremo Tribunal Federal aprovou a súmula que restringe o uso de algemas no país, as ações policiais, transporte de presos ou julgamentos que antes eram executadas com uso de algemas passou por uma importante reforma. Com a aprovação da súmula tornam-se rígidas as regras ao uso de algemas e os ministros afirmam que a ela veio como mais uma ferramenta de garantia de um Estado Democrático de Direito.
             Enquanto para uns a súmula só foi criada para apoiar os infratores, a Polícia Militar de Minas Gerais acredita que ela veio como uma forma de garantir os diretos fundamentais. A súmula não foi criada com intuito de proibir o uso de algemas. Ela veio como forma de evitar constrangimentos e uso inadequado, como por exemplo medidas de punição.
             O uso de algemas na atividade policial é prática corrente em virtude do grande número e variedades de ocorrências. Os policiais militares, que agora só podem fazer uso de algemas em casos excepcionais, agora irão agir com mais respeito aos direitos fundamentais, pois o se houver necessidade de usar algema, a autoridade policial responsável deverá fazer uma justificativa por escrito.
             A necessidade agora é a adequação às novas regras. A Polícia Militar, em busca da garantia dos direitos fundamentais, já projeta modificação nos boletins de ocorrência: agora todos os boletins vão ter um campo específico de justificação em caso de necessidade de fazer uso de algemas. Assim, torna-se mais fácil promover a paz social e ao mesmo tempo respeitar os Direitos Humanos.
     
                   Autor:  Marcelo 



Gostou desta postagem? Então cadastre-se AQUI para receber as atualizações do Universo Policial no seu e-mail ou no seu agregador de Feed/RSS.

4 comentário(s):

Anônimo disse...

Interesante, a polícia militar de Minas concorda: Enquanto para uns a súmula só foi criada para apoiar os infratores, a Polícia Militar de Minas Gerais acredita que ela veio como uma forma de garantir os diretos fundamentais. E quanto o PM que tem sua liberdade privada por até 21 dias por um mero atrazo por circustancias alheias a sua vontade, um cochilo emquanto outro esta atento depois de quase um mês de labuta numa escala apertada e mesmo com seus argumentos mais que justos o seu comandadante iguinora elegando não ser o suficiente e pune da pior forma privando-o da sua liberdade, das horas de fougas no seio da sua familia, sendo que a uma infinidade de maneiras que o codigo de dissiplina garante como forma de punir como prestação de serviço extra, desconto em folha de pagamento e outras tantas, mais justas e menos humilhante.

Anônimo disse...

F2 diz, é presizo ver isso e acabar com este abuzo pois o polisial(soldado PM) também é umano e onde esta os que constituem o grupo de "Direitos Umanos" ai.
"autor ta ultima postagem".

Anônimo disse...

Boa tarde,

Na verdade não é um comentário, mas sim um pedido por favor vocês podem postar aqui pag. a ultima prova do CFS/PM 2009, pois ela não se encontra disponível na pag. do CRS.
E fica aqui meus parabéns pela divulgação e orientação ao candidatos aos mais variados cursos e concursos de nossa gloriosa corporação.


At, Um Sd.PM

Anônimo disse...

uma redaçao ÉTICA NO TRABALHO:É NECESSÁRIO MANTER
A ética profissional é a conduta correta no exercício da profissão. É importante estabelecer parâmetros para a formação policial militar, além da formação técnica e legal, deve haver a formação ética.

Postar um comentário

Comentários - Regras e Avisos:
- Nosso blog tem o maior prazer em publicar seus comentários. Reserva-se, entretanto, no direito de rejeitar textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional.
- O comentário precisa ter relação com a postagem.
- Comentários anônimos ou com nomes fantasiosos poderão ser deletados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.
- Clique aqui e saiba mais sobre a política de comentários.

 
Os pontos de vista aqui publicados são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando versões oficiais de quaisquer instituições.
© 2007 Template feito por Templates para Você - Deformado por José Ricardo
▲ Topo