Recurso contra prova de redação

sábado, 4 de outubro de 2008

RECURSO ADMINISTRATIVO CONTRA RESULTADO DA PROVA DE REDAÇÃO

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Introdução
Eu sempre escrevo pensando na correção gramatical, utilizando o vernáculo em sua forma normativa. A gramática, porém, permite certa discricionariedade ao escritor e, dentro dessa discricionariedade, procuro escrever com harmonia, dispondo as palavras e sinais de pontuação de tal maneira que o período se imponha pelo ritmo, equilíbrio e melodia. Tento ainda fazer com que meus textos tenham clareza, a fim de evitar duplicidade de interpretações.
O que faz a beleza da língua é a eufonia, a musicalidade, o valor expressivo e tudo quanto a transforma em arte e patrimônio cultural de um povo.
 
1 - Ponto descontado na linha 6 (seis) referente à pontuação
Supõe-se que o ponto foi descontado em razão de não ter sido utilizado vírgula antes do verbo “participando”, que inicia uma oração reduzida adverbial modal. Entretanto, o uso da vírgula nesse caso é desnecessário, tendo em vista que a oração adverbial modal “participando de projetos comunitários” não está deslocada, ou seja, encontra-se depois da oração principal “o policial militar pode aplicar os conceitos de democracia”. O uso da vírgula, nesse caso, até prejudicaria a eufonia do período. Seria necessário o uso da vírgula caso a oração adverbial estivesse deslocada (anteposta ou intercalada). Exemplo:
“O policial militar, em seu trabalho comunitário por natureza, participando de projetos comunitários, pode aplicar os conceitos de democracia...”
 
  • Referência bibliográfica:Na página 388 do livro indicado (Nossa Gramática Contemporânea - Teoria e Prática), item 15, o autor afirma que a vírgula é utilizada para “separar termos ou orações que, deslocados, quebram uma seqüência sintática. Exemplos do livro:
“Comunicamos-lhes que, a partir desta data, atenderemos em novo endereço.”
“O ministro, segundo recomendação médica, deve permanecer em repouso absoluto.”
 
Nas páginas 288 e 289 do livro indicado, discorrendo sobre as orações subordinadas, o autor apresenta alguns exemplos de orações adverbiais situadas em sua ordem natural, depois da principal, sem o uso da vírgula. Veja alguns exemplos:
 
“Filipe julga que vale muito porque é bonito.”
“Nada valoriza o homem quanto a honestidade”.
“Não saia daqui sem que eu lhe chame.
“Que seja tudo como Deus quiser!”
“Devemos escrever consoante prescreve a ortografia oficial.”
“A gente vive somente enquanto ama.”
“Falta pouco que a noite caia.”
“A estrela era bem vista ao passo que o Sol se punha no horizonte.”
 
  • Outras referências bibliográficas:Maria Tereza de Queiroz Piacentini, licenciada em letras, mestra em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina, autora do livro “Só Vírgulas - Método fácil em vinte lições”, no site Língua Brasil - Instituto Euclides da Cunha (http://www.linguabrasil.com.br), ensina:
(...) “quando o gerúndio denota MEIO, MODO ou INSTRUMENTO – respondendo, portanto, à pergunta COMO? –, não se usa a vírgula, pois aqui se trata de uma oração subordinada na sua ordem normal, que é depois da principal.”
(...) “Podemos afirmar também que a ausência da vírgula diante do gerúndio (ou oração gerundial) é a regra em qualquer tipo de oração adverbial na sua ordem habitual, isto é, depois da oração principal, não anteposta nem intercalada.”
A mestra também cita alguns exemplos acerca de orações adverbiais modais:
“Esse fato contribui ainda mais para afastá-lo da sua missão de eliminar conflitos realizando a justiça.” (grifo nosso)
“O Direito deve retomar o seu papel de instrumento de ordenação respondendo às convenções morais.” (grifo nosso)
 
2 - Ponto descontado na linha 9 (nove) referente à pontuação
Supõe-se que o ponto foi descontado em razão de não ter sido utilizado vírgula antes da conjunção subordinativa “se”, que inicia uma oração adverbial condicional. Entretanto, o uso da vírgula nesse caso é desnecessário, tendo em vista que a oração subordinada adverbial “se agir de forma imparcial...” não está deslocada, ou seja, encontra-se depois da oração principal “o policial militar contribuirá para a democracia”. O uso da vírgula, nesse caso, até prejudicaria a eufonia do período. Seria necessário o uso da vírgula caso a oração adverbial estivesse deslocada, conforme foi explicado no item anterior. Exemplo:
 
“Ainda, se agir de forma imparcial, indistintamente, sem privilegiar nenhum grupo ou classe social, atuando sempre com vistas ao bem comum, contribuirá para a democracia.”
 
  • Referência bibliográfica:Na página 388 do livro indicado (Nossa Gramática Contemporânea - Teoria e Prática), item 15, o autor afirma que a vírgula é utilizada para “separar termos ou orações que, deslocados, quebram uma seqüência sintática. Exemplos do livro:
“Comunicamos-lhes que, a partir desta data, atenderemos em novo endereço.”
“O ministro, segundo recomendação médica, deve permanecer em repouso absoluto.”
 
Nas páginas 288 e 289 do livro indicado, discorrendo sobre as orações subordinadas, o autor apresenta alguns exemplos de orações adverbiais situadas em sua ordem natural, depois da principal, sem o uso da vírgula. Veja alguns exemplos:
 
“Não saia daqui sem que eu lhe chame.” - Obs.: Trata-se também de uma oração adverbial condicional.
“Filipe julga que vale muito porque é bonito.”
“Nada valoriza o homem quanto a honestidade”.
 “Que seja tudo como Deus quiser!”
“Devemos escrever consoante prescreve a ortografia oficial.”
“A gente vive somente enquanto ama.”
“Falta pouco que a noite caia.”
“A estrela era bem vista ao passo que o Sol se punha no horizonte.”
 
3 - Ponto descontado na linha 17 (dezessete) referente à morfossintaxe
Supõe-se que o ponto foi descontado em razão da utilização do pronome relativo “a qual”. Entretanto, é imperioso observar que, se fosse utilizado o pronome relativo “que” em vez de “a qual”, poder-se-ia ter uma interpretação ambígua. Depois do pronome relativo, segue-se o seguinte: “determina que todos devem ser tratados com igualdade, sem distinção de qualquer natureza”. Ficaria a dúvida: Quem determina? O policial (masculino) ou a Constituição (feminino)? Logicamente que, pelo contexto da frase, sabe-se que é a Constituição quem determina, mas, para evitar duplicidade de interpretação, foi utilizado o pronome relativo “a qual”, referindo-se à Constituição, e não ao policial.
 
  • Referência bibliográfica:Página 148 do livro indicado.
O qual (e variações) emprega-se:
a) para evitar duplo sentido. Ex.:
Não conheço o pai da garota o qual se acidentou.
 
4 - Ponto descontado na linha 21 (vinte e um) referente à morfossintaxe
Supõe que o ponto foi descontado em razão da utilização da palavra “se” ligada com hífen ao verbo “interagindo”. Entretanto, o “se” foi usado como palavra expletiva ou de realce. Teve-se o objetivo de realçar que quem interagia com a comunidade era “o policial”. Quem interagia? - Interagindo-se (ele/policial) com a comunidade.
No caso em apreço, o pronome “se”, não tendo valor gramatical mas apenas estilístico, não exerce função sintática. Portanto, não exercendo função sintática, não há que se falar em morfossintaxe.
O pronome “se” não é rigorosamente necessário, podendo ser retirado da oração sem prejuízo do sentido; sua função é a de transmitir a ação verbal mais vigor e ênfase.
 
  • Referência bibliográfica:Página 415 do livro indicado, item 3.
3 - PALAVRA EXPLETIVA ou DE REALCE - pode ser retirada oração sem prejuízo do sentido. Ex.:
Passaram-se anos, e ela não voltou.
“No homem gasto, vão-se as ilusões, fica a esperança.”
Quando perguntei a Luís se ele gostava de Cristina, respondeu: Se gosto! Se gosto!
 
5 - Pontos descontados referentes aos quesitos de conteúdo
Confesso que esperava obter uma nota maior nos quesitos referentes a conteúdo, uma vez que escrevo com freqüência, inclusive contos, crônicas e artigos, e também porque sou um amante e estudioso contumaz da Língua Portuguesa.



Gostou desta postagem? Então cadastre-se AQUI para receber as atualizações do Universo Policial no seu e-mail ou no seu agregador de Feed/RSS.

1 comentário(s):

Dextermilian SD disse...

observando esse texto me lembrei , porque dormia nas aulas de português kkkk , estou imaginando o nível dessas redações do concurso CFO. até que eu gosto da lingua portuguesa , mais gostar e diferente de apreciar kkk mais sei que é estudando ela que um dia vamos melhora-la pois do jeito que está , não dá kkk com a nova norma ortográfica , penso em quantos pontos eu teria ganhado pois era uma dificuldade eu colocar os acentos kkkkk bem é isso ai . se tiver e eu sei que a vários erros nesse texto , isso é normal kkkkk até mais .

Postar um comentário

Comentários - Regras e Avisos:
- Nosso blog tem o maior prazer em publicar seus comentários. Reserva-se, entretanto, no direito de rejeitar textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional.
- O comentário precisa ter relação com a postagem.
- Comentários anônimos ou com nomes fantasiosos poderão ser deletados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.
- Clique aqui e saiba mais sobre a política de comentários.

 
Os pontos de vista aqui publicados são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando versões oficiais de quaisquer instituições.
© 2007 Template feito por Templates para Você - Deformado por José Ricardo
▲ Topo