O dia seguinte

domingo, 4 de outubro de 2009

Autor: * Soldado Aluno Helder Andrade Anastácio

Éramos muitos neófitos, reunidos em um lugar amplo, bonito e confortável. Alguns de nós já tinham servido em forças de segurança, mas confesso que, para mim, era uma experiência completamente nova a Polícia Militar, uma decisão arriscada que tomei, contrariando expectativas e sonhos familiares, arriscando também tempo e dinheiro em um processo seletivo que sequer imaginava estar ingressando um ano e meio antes. Eu estava ali pensando em tudo o que poderia ser esta nova etapa, de bom e de ruim. Desejoso, vibrante, mas um pouco temeroso do que não conhecia, como é natural temermos o desconhecido.

Imagino que o leitor deve estar pensando que esse era o primeiro dia. Não era. Era o segundo. E eu tinha ouvido tantas coisas desde o dia da matrícula, glorificando, exaltando, que estava em dúvida sobre o que era verdade ou não em tudo aquilo que estava vivendo. Nesse novo dia, haveria mais palestras, e eu já percebia que seriam enfocadas informações sobre a corporação, devido ao assunto da palestra principal da manhã. Para mim, isso era ótimo, pois um dos motivos que me fizeram ingressar na corporação é que já era um entusiasta em assuntos relacionados à corporação e à Segurança Pública. Diferente de muitos naquele lugar, eu não estava entediado ou dormindo; é verdade que dava algumas “voadas”, contudo entendia o que vinha sendo falado. Anunciaram que haveria uma palestra de uma alta funcionária, com histórico e currículo profissional invejáveis. Na verdade, até aquele momento, ainda não estava impressionado; estava ainda um pouco em dúvida sobre o que realmente era aquela nova vida.

Mas, quando começou, eu vi uma palestra boa, dinâmica, bem explicada e com recursos de multimídia bem utilizados. Todavia, o que mais destacou não foram essas questões técnicas, que são vistas em várias outras palestras por todo o Brasil.

Em certa altura, a palestrante declamou um poema e foi, em alguns poucos momentos, não nas palavras lidas, mas na voz trêmula, na respiração dificultosa, no rubor da face, nas lágrimas que vieram dela, naquele arrepio que senti e no aplauso sincero e vigoroso que veio de toda a plateia que a assistia é que relembrei porque mais de um ano antes havia feito minha inscrição e escondido de minha família porque saí tão cedo em um domingo de manhã.


Talvez, daqui um tempo, estarei a pensar sobre minha frustração, sobre o erro que cometi. Mas o que me moveu um ano antes e me move hoje é só uma coisa: Saber por que apesar de tanto rigor na formação, tantos riscos na profissão, de salários baixos, estes homens e mulheres não gostam, não são apaixonados, mas sentem algo que não se ouve falar em nenhuma outra profissão: Eles vibram pelo que fazem.

Ps.: Nem o sol quente nem a chuva e vento frios no final daquela mesma tarde abalaram nossa Companhia na ordem unida e no fora de forma. Se foi empolgação inicial ou verdadeira vibração, só saberemos com mais algum tempo.

* Nota: Recebi este texto do Soldado Aluno Helder Andrade Anastácio. Como não há ofensas nem críticas, resolvi publicar, até porque o texto é de excelente qualidade e traduz o que sente o policial em seus primeiros dias na caserna. No e-mail, o soldado me disse: "Você pode estar pensando que ainda é muito cedo para alguém que foi incorporado há apenas 3 dias escrever sobre a corporação, mas preferi escrever enquanto minhas idéias estão frescas, os sentimentos estão novos. Se fosse escrever ou revisá-lo depois, certamente distorceria as idéias e emoções que estão nele hoje. E o objetivo é este: mostrar a visão deste indivíduo que acaba de entrar na corporação e, com certeza, há várias outras visões."



Gostou desta postagem? Então cadastre-se AQUI para receber as atualizações do Universo Policial no seu e-mail ou no seu agregador de Feed/RSS.

13 comentário(s):

Sd Márcio disse...

Muitas dificuldades você vai encontrar, e não pense que serão poucas e agradáveis...Quando isso acontecer, lembre-se que estás fazendo aquilo que escolheu, fazendo aquilo que te deixa satisfeito. A profissão é realmente muito motivadora, vale a pena os entraves.
Boa sorte companheiro. e continue postando com toda essa sinceridade o seu cotidiano na caserna e quem sabe, poderemos deixar o periodo de curso mais agradável para você? Um forte abraço.

Flávio Henrique disse...

Bem vindo a guerra. Você irá se assustar com muita coisa (ainda hoje eu me surpreendo), vai passar por inúmeros aperreios, sofrerá o pão que o diabo amassou e o mais estranho é que não vai querer saber de outra profissão que não a de policial.

Porque polícia é como um vírus. Depois de contaminado dificilmente você consegue se "curar", se é que me entende.

Anônimo disse...

Você ainda vai se decepcionar muito, vai ter alegrias tambem.

Anônimo disse...

Você vai saber o que é vibração quando estiver nas ruas patrulhando, ai você vai se conhecer como policial, o que vale e o que não vale a pena fazer pela sociedade, se os seus ideais estavam em sintônia com a realidade ou não.
Os negativistas vão ficar na sua cola o tempo todo, os positivistas você quase não vai ouvir e de vez em quando um realista vai sussurar no seu ouvido.
O melhor a fazer é sugar o maximo possível do que vão lhe ensinar no curso, dos professores e dos colegas e quando estiver na sua unidade definitiva siga o bom mestre, aquele que você se identificar com ele, e aprenda o máximo, porque o verdadeiro aprendizado vem na prática, a teoria apenas é o mapa e a búsola que te guiará ao caminho certo.
Tenha opinião própria, não dependa da visão dos outros porque senão você vai se perder no caminho.
Você tem que saber o que quer na polícia, porque senão vai se desiludir.
Quando entrei na PMMG, já sabia o que queria, portanto, ninguém consegue me influenciar negativamente, porque, já tenho meus objetivos dentro da corporação e sei os ideais que estou defendendo, seu o que vale e o que não vale a pena fazer, porque, somos apenas uma peça da engrenagem deste mundo, para que as coisas funcionem bem precisamos estar bem e agir de acordo com as outras engrenagens e assim tudo segue no seu ritmo. O amanhã a Deus, pertence, cabe a nós fazer a nossa parte e irmos para casa com a conciêcia do dever cumprido.
Para finalizar te digo, que ser Policial é muito gratificante e não estou nem um pouco arrependido da minha escolha, foi um sonho que realizei e certamente realizarei outros aqui na Polícia. Desejo a vocês que estão entrando na Polícia, muita sorte e que realmente estejam compromissados com a missão, porque ela não é fácil e muitos se esmurecem com o tempo.
Sd Gomes

Anônimo disse...

Caro companheiro, bom dia. Sábias palavras e parabéns pela sinceridade. Ja estou na reserva e digo a vc não me arrependo de ter entrado na gloriosa PMMG. Em qq outra profissão temos alegrias e tristezas. Na PM com toda certeza as tristezas são em nr mais expressivos, porém o q terá de alegrias, tente suprir esta difrença. Faça amizades sadias, siga os bons, aprenda o caminho certoe nunca passe por atalhos, pois eles conduzem ao caminho errado. E confesso, PM é doença crônica, mesmo estando na reserva com outra atividade, não consigo ficar fora dela, leio blogs e tudo aquilo q fala da PM.Ainda fico " nervoso " qdo alguém quer atirar pedra na Corporação. Nunca se esqueça, estude, estude e estude. Chances terá e as aproveite. Não deixe o tempo passar, ele não volta. Tenha certeza, não irá se arrepender, rico não ficará, mas terá uma vida digna, só depende de vc. Aproveite este espaço, muito educativo. Abraços e uma carreira cheia de glórias.

Sub Marcos

Anônimo disse...

Fica bem claro para os militares estaduais, que somos diferenciados do cidadão civil, que nossa ética tem características próprias, assim como o nosso padrão de comportamento perante a sociedade, deve sempre se ajustar com base nos valores de disciplina e hierarquia, dentro de uma moral e ética peculiares a vida castrense.
Ao ingressarmos nessa extraordinária profissão, devemos desde os primeiros momentos construírmos nossas carreiras em BASE SÓLIDAS que possam sustentar as imensas adversidades que virão, principalmente, ao longo do serviço ativo. Carreira que é definida no Vade Mécum Nr 10 - Cerimonial do Exército, da seguinte forma: A carreira militar não é uma atividade inespecífica e descartável, um simples emprego, uma ocupação, mas um ofício absorvente e exclusivista que nos condiciona e auto-limita até o fim. Ela não nos exige AS HORAS DE TRABALHO DALEI, mas todas as horas da vida, nos impondo também nossos destinos. A FARDA NÃO É UMA VESTE, QUE SE DESPE COM FACILIDADE E ATÉ COM INDIFERENÇA, MAS UMA OUTRA PELE, QUE ADERE À PRÓPRIA ALMA, IRREVERSIVELMENTE PARA SEMPRE - BRASIL 2002,CAP 1,p1-
Que Deus em sua infinita bondade e sabedoria nos ilumine em nossas jornadas.

Anônimo disse...

Duas frases definem bem a Policia Militar,"Ame-a ou deixe-a" e "Ser policial vicia".Mas não seje um policial derrotado, que aceita tudo ,e se conforma com tudo, siga os pilares mas una -se a seus companheiros e lute pois esta Policia ,com fé em Deus vai melhorar muito......!

Anônimo disse...

Caro companheiro, sabia foi a tua escolha nos anos que o seguirão, certamente que, haverá dias onde o sol não estará brilhando, que as montanhas de minas estão de luto no escuro, mas haverá dias em que o sol estará brilhando mais alto, e que sentiras o orgulho de fazer parte da gloriosa PMMG, assim como sente os mineiros guerreiros de natureza, em dizer que a PMMG é a melhor do Brasil.Que Deus lhe der força pra lutar e sabedoria, inteligência pra vencer

Anônimo disse...

È BOM VER QUE DEPOIS DE 18 ANOS NA PMMG AINDA HÁ PESSOAS QUE REALMENTE SENTEM O PRAZER DE SE PM. NÃO É FÁCIL, MAS NÃO HÁ COISA MAIS PRAZEROSA DO QUE LEVANTAR E OLHAR PARA O HORIZONTE E SABER QUE ALGUEM, POR MAIS QUE NÃO GOSTE DA PROFISSÃO VAI PRECISAR DE VOCÊ. AI VEM O ORGULHO DE SER PM, UM MAL NECESSÁRIO PARA MUITOS QUE NÃO ENTENDEM A PROFISSÃO DE UM PM, ATÉ O DIA QUE PRECISA DE UM. VALEU AMIGO E COM CERTEZA ESTA NO LUGAR CERTO, SER PM E SIMPLISMENTE ISSO, VIBRAR A CADA DIA, SEJA QUAL FOR O MOTIVO.

Ivan disse...

Há cerca de dois anos e seis meses ingressei na PMMA, não como um vocacionado para a profissão, mas como um crítico de nossa sociedade, pelo históriador que sou, com fomação academica me inquetava com o rigor do curso de formação e com a não evolução de aguns superiores , oficiais ou praças. já dizia Maquiavél " se os tempos mudam os comportamentos também terão que mudar, se não será o caos". lendo uma de suas publicações sobre determinado soldado que havia ingressado a três dias, e que comentava sobre o calor de suas idéias, resolvir comentar a minha; e a visão de minha corporação em meu Estado.


Era o ano de 2005, quando comentavam sobre o concurso da pm; meus irmãos, desempregados e empolgados em querer ser PM, logo se inscreveram, fiz minha inscrição no ultimo dia, para não ficar para traz, afinal era o mais velho... ... passamos os três, e entramos em um longo periodo de teste e um rigoroso curso de formação.
sempre fui averso ao militarismo, meu pai já era capitão, (talvez por isso odiasse tanto o militarismo, por seu modo de nos tratar em casa). sofrí muito no curso de formação, a cada dia superado tinha vontade de voltar para casa, em determinados momentos amava tudo aquilo e ia descobrindo uma outra cara da Pm graças a certos oficias, que eran "gente", em outros despertava fúria e irá pelo maus tratos e humilhação, não se educa um profissional de segurança publica, descontando nele suas frustações e humilhando-o a cada dia.
Por fim concluimos o curso de formação de soldados e fomos para a rua, lá entendi porque meu pai chegava em casa do forma que chegava, a sociedade não se importa se ganhammos mal, se estamos sem recursos para trabalhar se estamos armados, cansados ou não; ela que uma resposta e ela tem que ser satisfatória. ela não nos permite o direito de errar, ou de estar em duvida sobre o que fazer em uma ocorrencia, ela só que que resolvamos o problema, se não agirmos somos omissos, se tentamos ser sutis e educados, somos fracos, se agimos com rigor, estamos cometendo abuso de autoridade, mais ela quer uma resposta.
Aprendi a ser policia, gosto de ser policia e defendo minha segunda pele onde estiver, não sou o melhor no que faço, tambem não sou o pior, mas tento fazer o diferente, é disso que precizamos sair da rotina.

Patrick Cb/Pm - MG disse...

Ser policial guerreiro é como um câncer que temos no corpo, ele surge e nunca mais é curado, fica em nossas veias peito coraçao cerebro e qualquer outra parte que voce imaginar, mas nunca vai embora. Que Deus abençoe voce e todos nós policiais.

Anônimo disse...

SOLODEDO DISSE:...
É COM HONRA QUE VISTO A FARDA, HÁ TRISTEZAS E ALEGRIAS MAS O DEVER CUMPRIDO NOS AJUDA A SERMOS CADA VEZ VIBRADORES!!!
FORÇA E HONRA SEMPRE !!!!

Thiago de Lemes disse...

Esse menino me enche de orgulho...é isso ai meu aluno.

Postar um comentário

Comentários - Regras e Avisos:
- Nosso blog tem o maior prazer em publicar seus comentários. Reserva-se, entretanto, no direito de rejeitar textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional.
- O comentário precisa ter relação com a postagem.
- Comentários anônimos ou com nomes fantasiosos poderão ser deletados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.
- Clique aqui e saiba mais sobre a política de comentários.

 
Os pontos de vista aqui publicados são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando versões oficiais de quaisquer instituições.
© 2007 Template feito por Templates para Você - Deformado por José Ricardo
▲ Topo