Livros de Emir Larangeira - O Universo Policial recomenda

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Polêmico e escritor. Essa é a definição que Emir Larangeira, tenente-coronel reformado da PMERJ, faz de si próprio.

Polêmico, sim, porque não tem medo de dizer o que pensa. Prova disso é o teor explosivo e chocante do conto Rio Violento (leitura altamente recomendada), e também de alguns outros contos e artigos já publicados, como um no qual ele discorre sobre o filme "Tropa de Elite" e sobre o livro "Elite da Tropa", e ainda um outro em que ele critica o Regulamento Disciplinar da PM do Rio. Ele não tem medo de abrir a caixa de pandora. E como diz o velho ditado, “mais vale uma verdade que dói do que uma mentira que conforta”.

Além de polêmico, é também um primoroso escritor, com estilo original, realista, sem meias-verdades. Suas obras são de leitura muito agradáveis, e nos jogam no epicentro da trama.

Emir é um escritor experiente. Seu primeiro livro, “Profissão Traficante”, foi lançado no ano 2000, seguido de “Operação Arabesco - Tráfico no Asfalto”. Portanto, muito antes dos lançamentos dos livros “Elite da Tropa” e “A Verdade da Tropa”, em 2006, ele já desnudava de forma realista a conjuntura da violência urbana; suas causas, consequências, suas diversas facetas, do pobre marginalizado ao rico drogado. Em 2001, no livro de contos “Bairro de Lata”, já dizia que “é o uso que faz o tráfico, e não o tráfico que faz o uso”.

Em seus oito livros já publicados, ele aborda com propriedade o caos das favelas e a vida de seus moradores, o cotidiano sofrido dos policiais militares, o dia-a-dia do quartel, o submundo não-oficial se relacionando com o mundo oficial. E muito mais, muito mais...

Em seus romances e contos, ele mistura com maestria dissertação, descrição e narração; com todos essas composições textuais se entremeando, o conjunto da obra não poderia deixar de ser magnífico.

Mas nosso objetivo principal é divulgar as obras desse talentoso escritor (romancista, contista, cronista e articulista). No mundo digital, ele tem um site e um blog. No mundo literário, ele já tem publicado um valioso acervo de livros, um verdadeiro legado à juventude e às novas gerações.

Título: Profissão Traficante (2ª Edição)
Autor: Emir Larangeira
Editora:
Beto Brito
Licença:
Gratuito
OBS: Necessário Adobe Reader para leitura



Título: Operação Arabesco
Autor: Emir Larangeira
Editora:
Beto Brito
Licença:
Gratuito
OBS: Necessário Adobe Reader para leitura




Título: Utopia
Autor:
Emir Larangeira
Editora:
Beto Brito
Licença:
Gratuito
OBS: Necessário Adobe Reader para leitura




Título: O Golpista
Autor:
Emir Larangeira
Editora:
Beto Brito
Licença:
Gratuito
OBS: Necessário Adobe Reader para leitura




Título: Bairro de Lata
Autor:
Emir Larangeira
Editora:
Beto Brito
Licença:
Gratuito
OBS: Necessário Adobe Reader para leitura




Título: Cidadela Contemporânea
Autor:
Emir Larangeira
Editora:
Beto Brito
Licença:
Gratuito
OBS: Necessário Adobe Reader para leitura




Título: Cavalos Corredores
Autor:
Emir Larangeira
Editora:
Beto Brito
Licença:
Gratuito
OBS: Necessário Adobe Reader para leitura




Título: O Espião
Autor:
Emir Larangeira
Editora:
Beto Brito
Licença:
Gratuito
OBS: Necessário Adobe Reader para leitura




Trecho de um dos contos do livro “Bairro de Lata”, no qual ele mostra a realidade nua e crua; perturbadora descrição de uma favela:
"A favela era grande, - uma cidade, pobre, dentro de outra, rica, - um mundo à parte, quase que isolado de tudo, um povoléu de senzala, seria a vontade dos senhores da casa-grande, de ontem e de hoje, sempre vendo-a de longe e impertinente a crescer, crescendo com ela a miséria e o zé-povinho na miserabilidade do abandono total. Mas a favela era grande, e a cada dia maior ela ficava, e isto ninguém podia lhe negar, porque havia na base do morro, - um grande morro, de cume empedrado, abrupto, inacessível, bem alto, - havia na base do morro e em toda sua volta, no plano liso do chão, os barracos. E eram milhares, aqueles barracos, uns agarradinhos aos outros em paredes-meias feitas de tábuas vagabundas, de restos de construções abandonadas e de tudo o mais que mantivesse de pé aquelas casinhas toscas e cheias de gente miserável, de gente nortista e nordestina e de muitos pretos que nunca venceram os grilhões do passado. E os barracos iam-se amontoando, germinados, e subindo, e subindo... até atingir as alturas mais altas do morro. Tudo isto era a favela grande."



Gostou desta postagem? Então cadastre-se AQUI para receber as atualizações do Universo Policial no seu e-mail ou no seu agregador de Feed/RSS.

2 comentário(s):

Anônimo disse...

muito bom!!!! creio que esses livros mostram de forma mais real a situação da defesa social no rio , e é claro é um espelho para que todos brasileiros , pensem e lute para haja mudança na forma com que a segurança pública brasieleira está sendo tratada.

Anônimo disse...

Como leitor assíduo do blog do Cel Larangeira, sou suspeito de falar. Mas quem gosta de ler uma boa matéria, desprovida de ataques pessoais e outras coisas comuns na net. O blog é excelente e voltado para os problemas de nossas PM. Muito bom mesmo.

Sub Marcos

Postar um comentário

Comentários - Regras e Avisos:
- Nosso blog tem o maior prazer em publicar seus comentários. Reserva-se, entretanto, no direito de rejeitar textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional.
- O comentário precisa ter relação com a postagem.
- Comentários anônimos ou com nomes fantasiosos poderão ser deletados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.
- Clique aqui e saiba mais sobre a política de comentários.

 
Os pontos de vista aqui publicados são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando versões oficiais de quaisquer instituições.
© 2007 Template feito por Templates para Você - Deformado por José Ricardo
▲ Topo