Sobre diplomas e cursos fraquinhos

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Quais os parâmetros utilizamos para avaliar a qualidade dos cursos de formação policial? Já pensaram sobre isso? Desde que escrevi sobre a formação policial que venho refletindo sobre o assunto. Lembrei de um fato ocorrido no meu curso de sargento.

Durante aqueles tenebrosos dias, um cabo teve a audácia de perguntar ao oficial que estava à frente se na formatura do curso seria entregue algum diploma. Lembro perfeitamente que a tropa formada e o oficial acharam a pergunta engraçada. E você leitor, também acharia graça? Você também pensa que cursos de formação policial não merecem diplomas?

Naquela época, confesso que achei a pergunta meio que despropositada. Não havia recebido diploma quando formei no "Curso Técnico de Segurança Pública", por que iria receber no CFS? Hoje, pensando melhor sobre o assunto, digo que gostaria sim de ter recebido diploma ou certificado de conclusão desses dois cursos. Iria até emoldurá-los e colocá-los na sala da casa onde moro de aluguel. Iria ter orgulho de mostrá-los aos meus descendentes. Sabem por quê? Porque eu valorizo o conhecimento. E o diploma é a representação material do conhecimento que possuímos.

Outras pessoas valorizam mais as divisas, representação material do poder hierárquico. Não estou aqui para julgar ninguém. Cada um é cada um. Outras pessoas ainda valorizam o curso pela "ralação", pelos "rancas", pelas "jornadas", pelas bombas de gás, pelos "toros"... Para estes, os cursos que não tiveram quantidades exorbitantes desses "elementos" são fraquinhos, não prestam. Para estes, a qualidade do curso é medida pelo número de "rancas".

Essa cultura ainda existe em nosso meio. Além dos músculos, do vigor físico, o policial ainda tem que ser "enquadrado". Se ele não souber se apresentar, foi mal formado. Se chamou o cabo de "você", acabou-se o respeito. Se reclamou da escala que considera injusta, acabou-se a PM, não se formam mais soldados como antigamente. O respeito não precisa ser real, mas apenas ritual, mecânico. Verdade ou estou mentindo?

Aí eu pergunto a vocês: E o conhecimento imprescindível para o desempenho operacional? Será que não deveria ser o conhecimento o real parâmetro para medirmos a qualidade de um curso?

Sou da denominada "turma nova" de policiais militares e, com certeza, já devo ter sido, em algum momento (talvez até hoje), estereotipado/rotulado de "muchiba". Mensuraram a qualidade do meu curso de maneira inversamente proporcional à carga horária dos conhecimentos necessários às atividades tipicamente policiais. Se fosse o contrário, se meu curso tivesse sido inteiramente voltado às atividades militares, como marchar, ordem unida, etc., talvez minha imagem fosse um pouco melhor perante muitos policiais antigos. Se o curso fosse somente ralação, ranca, rastejo, bomba de gás, aí sim seria bom. Cursos bons são esses, com muita ralação, de acordo com muitos antigos. Cursos em que o conhecimento é colocado em primeiro lugar são fraquinhos, não prestam.

Na verdade, eu aprendi a teoria da atividade operacional (direito penal, administrativo, redação de BO, etc.) por minha própria força de vontade, estudando em casa, pesquisando na internet, lendo e relendo vade-mécuns. Apesar de para muitos meu curso ter sido de "muchibas", tive que me desdobrar pós-curso para aprender o que julgo ser verdadeiramente importante um policial saber.

Abstenho-me de fazer conclusões sobre o assunto. Somos seres subjetivos, cada um tem personalidade própria, convicções individuais. Apenas sugiro aos chefes de Centros de Ensino Policial que porventura lerem esta postagem que incluam na solenidade de formatura dos cursos a entrega de diplomas/certificados aos formandos. Valorizem o conhecimento de seus alunos. Mostrem aos familiares e autoridades presentes que, para ser policial, não basta músculos, saber marchar ou fazer continência; inteligência e conhecimento também são fundamentais.



Gostou desta postagem? Então cadastre-se AQUI para receber as atualizações do Universo Policial no seu e-mail ou no seu agregador de Feed/RSS.

40 comentário(s):

Anônimo disse...

Parabéns pela postagem, eu concordo apoio e acho muito pertinente o questionamento, pois em qualquer escritorio de advocacia, consultorio medico ou salas de profissionais liberais vemos expostos com orgulho os diversos diplomas destes profissionais. Podemos e temos o direito de materializar o nosso conhecimento.

Genival disse...

Parabéns, esta postagem foi uma das mais emocionante que eu já li, me veio lágrimas nos olhos, ao ler este texo fiz uma viagem ao passado, me rocordei da minha formatura em 1997, cantamos o Hino Nacional, a anção Força Invícta, tudo muito bonito, banda de música, evoluções, aplausos e até mesmo alguns familiares chorando, ao final da cerimônia foi entregue as autoridades presentes e aos padrinos um canudo branco amarrado com um laço vermelho para ser entregue aos novos saldados, peguei o meu, gurdei bem guardado, para não marrotar ou rasgar, ao chegar em casa, uma grande surpresa, aquele canudo era apenas uma folha de papel ofício em branco, fiu ao quartel, pensando que tinha cido um erro na hora da entrega, porém o que me disseram foi que não existe diplama em curso de saldado, fiquei muito decepcionado, mas estou aqui desempenhado minha função da melhor maeira possível, até o próximo, um grande abraço.

Anônimo disse...

Um "vade mecum" é, de forma geral, um livro de uso muito freqüente e que instrui o leitor a fazer determinadas tarefas. A palavra origina-se numa expressão latina que significa "anda comigo" ou "vem comigo".
Em Direito, refere-se a um compêndio das obras básicas para serem consultadas facilmente. O "vade mecum" pode ser genérico, trazendo o texto da Constituição vigente, os códigos e as leis gerais, mas pode ainda ser especializado e compilar a legislação de uma determinada área do Direito, como é o caso do "vade mecum" trabalhista ou previdenciário ou o "vade mecum" de licitações e contratos. Apesar de ser um trabalho essencialmente ligado ao Direito, este não se encerra neste domínio do saber, sabendo-se existirem vade mecum nos domínios da doutrina social da Igreja, pensamento político, doutrinas de segurança e defesa. Muitos deste trabalhos são conhecidos desde o século XV, sendo que alguns deles, têm conhecido constante actualização.

Anônimo disse...

gostaria que o sr colocasse um topico de oficiais que trabalharam na area adm e vem para o operacional comandar? provocando uma verdadeira confusao na tropa. nos estamos vivenciando este problema.

Anônimo disse...

ass: um pm
....e muito importante entender que na profissao possue irmaos que compartilham ideias semelhantes,que para a vida profissional de um pm e extremamente essencial saber direito penal,adminstrativo e principalmente redigir um bo.Pois nestes três fundamentos regem a competência e um conhecimento do verdadeiro profissional.
muito bom artigo..........

Sérgio Roberto disse...

Muito boa postagem. Fazem 16 anos que me formei e nunca recebi um diploma por este curso. Agradeço a vcs que hoje ingressam nesta lida e que a mente alcança os horizontes em que pra nós isso era então limitada. Abração.

Ana disse...

Nem tenho o q comentar pq suas colocações foram perfeitas.
Parabéns!!!
Esse post foi para acalmar os ânimos da outra discussão??? hahaha

Aspirante Wardil disse...

Concordo Plenamente com o que foi citado, pensamento raro de se ver, mas não podemos deixar de colocar que a " operacinalidade" é um fator muito importante nos cursos de formação porém, assim como foi dito, a teoria e o conhecimento são vrtudes que irão completar e enobrecer mais ainda a característica do bom militar.

José Ricardo disse...

Genilson, seu comentário foi bem pertinente. Não adianta nada que o certificado seja um papel em branco. Então, complementando a postagem, sugiro que o diploma tenha escrito na frente o de sempre (O Chefe/Comandante do XXX, no uso de xxxx, certifica que Fulano de Tal concluiu com aproveitamento o Curso de...); e no verso venha consignado as disciplinas contidas no curso com as respectivas cargas horárias.
--------
Ana, a outra postagem realmente teve discussões acaloradas. Isso é bom. O debate de ideias é importante para chegarmos num denominador comum ou até mesmo na verdade. Pena que, naquela postagem, a maioria dos comentários foram direcionados à exigência ou não de curso superior para ingressar na PM, razão pela qual me abstive de participar. Formação policial é muito mais do que isso.
-------
Senhor Aspirante, ainda chegará um dia em que falaremos de "bons policiais", e não de "bons militares". Mas é preciso quebrar paradigmas, dogmas e tabus. Não vai ser fácil.

Anônimo disse...

Realmente um diploma seria de grande orgulho,me recordo de ver na casa de meu irmão que é sargento da reserva, diploma do curso de formação de soldado e sargento, parece que muitos antigos recebera, sim diplomas.
abraços a todos

Nêssa disse...

Adorei o artigo e compartilho com sua frustação! Fiz o CTSP, CFS e não entendi porque não recebi o diploma. Sou bacharel em direito e me orgulho de ver meu diploma na parede, até do curso de guarda municipal, que fui antes de ser PM, eu tenho lá. Mas dos cursos de formação da PM, dos quais tenho muito orgulho, não posso vizualizar desta forma. E verifico, ainda, que isto faz mais diferença para nossos pais, que ficam reluzentes ao ver as vitórias dos filhos. Apesar de ser apenas um pedaço de papel, o diploma é a materialização de uma fase importante na vida de um policial militar, fase onde se busca aliar o conhecimento técnico com o prático. Muitos podem não dar importância a isso, mas são esses pequenos detalhes que dão um brilho diferente a nossas vidas.

Anônimo disse...

Brilhante análise companheiro.
Concordo contigo, infelizmente no meio operacional ainda vejo,a inteligência ser ofuscada pela burrice.
Parabéns !!!!

Anônimo disse...

o militarismo boçal estupra a intelectualidade e a capacidade de sermos policiais. Geralmente, um bom militar é um péssimo policial..........

CARLOS disse...

CARO COLEGA,

AGORA VEJO QUE FIZ ACERTADAMENTE TER INCLUÍDO ESTE SITE EM MEUS FAVORITOS. GOSTEI DEMAIS DESSA POSTAGEM E EM TUDO QUE O SENHOR FALOU; ESTÁ CERTÍSSIMO. O CONHECIMENTO É TUDO. AQUI, NÓS DA POLÍCIA MILITAR DE SERGIPE TEMOS SEMPRE QUE UMA RARA OPORTUNIDADE DE TERMOS CURSOS DE APRIMORAMENTO EM TÉCNICAS POLICIAIS, E ISSO QUE O SENHOR FALOU É CERTO. HÁ MUITO ANOS A INSTITUIÇÃO A QUAL PERTENÇO NÃO TAVA NEM AÍ COM OS PRAÇAS. TUDO SÓ GIRAVA EM TORNO DOS OFICIAIS, QUALQUER CURSO QUE AS CO-IRMÃS OFERECIAM SÓ IAM OFICIAIS E GRAÇAS A DEUS ESSA VISÃO MUDOU, NÃO 100%, MAIS DIREI UNS 70% E CAMINHANDO PARA ESSA EVOLUCÃO. E NOS ÚLTIMOS ANOS JÁ FUI QUALIFICADO ALGUMAS VEZES E POR ÚLTIMO NESTE MÊS AGORA ACABOU COM LOUVORES O APTP (ATUALIZAÇÃO PRÁTICA DE TIRO POLICIAL) PROMOVIDA POR MINHA SUBUNIDADE. TENHO ORGULHO EM DIZER AO SENHOR QUE POSSUO UM CERTIFICADO DE FORMAÇÃO. O SENHOR ESTA DE PARABÉNS PELA POSTAGEM E SEMPRE QUE TIVER OPORTUNIDADE PASSAREI NOVIDADES. UM ABRAÇO!!!

José Ricardo disse...

Nêssa, muito bacana seu comentário. Realmente, são esses pequenos detalhes que dão um brilho diferente as nossas vidas.

Anônimo disse...

Olha, sábias palavras. Eu penso que se os CMT's, Srs. Coronéis que têm poderes em suas mãos, realmente se preocupam com seus comandados e seus discentes, se preocupram com nosso trabalho e formação irão prestar mais atendção no que acontece nos cursos de formação.
Porque eu também tenho que estudar até hoje para melhorar proficionalmente, porque meu curso que foi em 2008, teve pouca carga horária e pouco conhecimento que realmente precisamos no nosso dia a dia proficional. Até hoje nao precisei das aulas de ordem unida, nem os rancas com gas de pimenta, não me foram uteis...agora as aulas de redação de BO's, direito penal, direito penal militar...isso sim me fizeram muita falta...achoq que é hora de repensar no que realmente importa nos cursos

Anônimo disse...

concordo em partes com essa postagem,vejo que hoje a maioria dos que ingressam na policia militar tem curso superior e estão somente afim de um emprego com estabilidade, a maioria não tem vocação com a realidade do serviço policial militar,realmente na rua "cagam pau".

DextermilianSD disse...

gostaria de um diploma...do meu curso ctsp 2004 ,mais agora estou ralando na faculdade e o diploma de administrador está garantido! tenho vários diplomas dos cursos do pronasci, espero realizar mais cursos.
ótima postagem!

Anônimo disse...

José Ricardo,

Valeu pelo texto primoroso com análise inteligente.
Já fiz alguns cursos no Senac - unidade BH -, e em todos eles recebi um certificado de conclusão. Neles constam, na face do documento, a assinatura da autoridade máxima daquela instituição e no verso, o rol de matérias com as notas obtidas.

É muito gratificante ter um certificado - é como se fosse um prémio -, que de certa forma coroa o esforço individual. Também gostaria de ter um certificado de conclusão de curso feito na PMMG, mas infelizmente não nos conferem essa distinção. Quem sabe quando todos nós formos tratados, como você disse, como policiais... quem sabe!

Abraços,
Brothervip

Anônimo disse...

o quê percebo é estamos vivendo inversão de valores e contradições, perdeu a noção de valores, como pode um bom militar ser mal policial , me explica??????, nem Floyd explica...........; antes de escrever algo , temos que pensar primeiro..............................

Anônimo disse...

Ao companheiro das 11h04min,

"Floyd" não explica mesmo. Se fosse Froid...

Anônimo disse...

meu primeiro diplama na PMMG, foi a 23 anos atrás,curso de CFSD 1996, no 16° BPM, na ocasião meus chefes de cursos já tinham uma visão mais pedagogica , mais voltada para as salas de aulas,guardo até hoje e para mim o mais importante, depois deste, já fiz vários outros;mas este primero para mim tem muita relevancia.................

Anônimo disse...

nós não precisamos de professor de português, mas sim de pensadores e idealistas

Anônimo disse...

os que fizeram a revolução na PMMG em 1997,à epoca não tinham curso superior e a policia mudou, não sei se a maioria tivesse curso superior a época, se essa evolução teria acontecido....................................

Anônimo disse...

Caros amigos, o problema é de interpretação, pois os "novos soldados" não são rotulados de muxibas apenas pelo fato de terem realizado um curso mais light, mas o principal motivo é que infelizmente grande parte dessa "turma" não são policiais por vocação e estão na PM apenas como trampolim para alcançarem outras profissões. O que esperar de um militar que trabalha junto com você numa viatura, sabendo que o seu maior objetivo é passar num concurso público para sair da PM? Esses são os grandes questionamentos que se fazem.
Antigamente soldado não era pago para pensar e sim cumprir ordens. Hoje infeliz é aquele que acha que não precisa pensar...porém não se pode deixar a vocação de lado, pois o verdadeiro policial é aquele que gosta da profissão e não aquele que está na profissão por um casuísmo qualquer.

Anônimo disse...

para mim não faz muito sentido pq já estou quase deixando a policia, mas espero no futuro ima policia mais proficional, não no sentido intelectual , mas sentido de compromiso coma sociedade e não com sua carreira...............

Anônimo disse...

penso que não vai ser a filosofia , que vai resolver o problema da policia, mas sim deixar a hípocrisia de lado, menos discurso e mais ação...............

Anônimo disse...

MEU NOBRE COLEGA, ESTOU COM 15 ANOS DE PROFISSÃO, NO MEU EXTINTO CFSD RECEBI DIPLOMA, E NO MEU CFS/96, APÓS A COLAÇÃO DE GRAU, OU SEJA, RECEBER AS DIVISAS, O CHEFE DE CURSO DE CADA TURMA SE POSTAVA À FRENTE E FAZIA A ENTREGA INDIVIDUALMENTE. O TEMPO PASSA, TEMOS EM CONSEQUENCIA A EVOLUÇÃO, MAS AS TRADIÇÕES NÃO PODEM SER ESQUECIDAS.

Anônimo disse...

PARABENS, VAMOS LUTAR PARA TERMOS CURSOS DE CONHECIMENTOS E NAO DE RANCAS,SENTADO1,2...MARCHA EM SOL QUENTE, MAS SIM EM SALA DE AULA BUSCANDO CONHECIMENTO.

DextermilianSD disse...

meus amigos , o policial e um membro da sociedade , e como tal , merece os mesmos direitos de qualquer cidadão , nenhum policial e super-homem , todos nós temos nossos problemas , nossos sonhos , não somos uma entidade sem fins lucrativos...ou somos? esses que falam que policial tem quer ter vontade , tem que ter vocação , concordo , mais tem que ter os seus direitos respeitados ! não somos formigas , temos pensamento lógico e é claro que se todos nós procurassemos algo melhor para nossas vidas , essa ação seria justa e normal! temos família , e nossos filhos são o nosso futuro , vamos parar com esse discurso se policial militar é diferente ! vamos lutar para conquistar melhores condições de trabalho , para mudar a lei , para dar dignidade a familia militar , eu ainda sonho em ver uma policia profissional nas ruas , do soldado ao coronel , lutando da mesma forma contra os bandidos, os infratores etc...não vamos perder o foco da nossa missão " manter a ordem na sociedade" e a paz social! policial exemplar é aquele que tabralha na rua bem , e vive com sua familia bem...

um Feliz Natal para todos!

DextermilianSD disse...

desculpem pelos erros de português!
:)

Dexterm...SD disse...

desculpe-me!!!! KKKK
:) ?

Anônimo disse...

Muito bom o texto, e concordo com o autor, pois tambem acho que a PM deveria prioriazar o ensino no que o policial realmente vai precisar para exercer seu trabalho. Mas o que parece realmente, é que, o centro de ensino da PM, não estar formando profissionais de segurança pública, e sim palhaços fardados, com todas aquelas apresentações de final de curso. Até parece que o objetivo era formar soldados marchadores! no que isso vai ajudar quando eles estiverem na rua, frente à frete com a criminalidade?

Anônimo disse...

sobre o comentario acima onde o anonimo diz que quer ver mais profissionalismo do intelectualismo na profissão, graças a Deus ele disse que esta se aposentando, pois o raciocino é simples quantos mais trabalharmos com a inteligencia menos precisaremos usar a força, quanto mais estudarmos mais profissinais nos tornaremos e o quanto antes deixar-mos de sermos militares(pelicula amaldiçoada), seremos policiais mais eficientes e compromissados com a sociedade para a qual trabalhamos.

Anônimo disse...

sobre diplomas fraquinhos quero lhe dizer que realmente com toda angustia que isto me causa(esta parte é puro cinismo)que nossos cursos são realmente fracos e desqualificados, estou nesta jornada a 18 anos e quero lhe dizer que os batalhões emitiam diplomas de conclusão de curso tenho o meu do cfsd de 1992 do antigo BPchq, mas informo a voce que te-lo ou não não faz qualquer diferença pois no ano de 1996 em um minuto de lucidez resolvi sair desta instituição e dei baixa, mas o destino traiçoiero conspirou de forma eronea e me fez voltar, então de posse deste diploma de formação formatei um documento para reconhecimento de curso e anexei o tal diploma, a resposta da administração foi curta este diploma não prova sua formação o processo de reconhecimento é outro, de que serve um diploma se ele não possui validade probatoria perante a propria instituição que o emitiu. quando voce se forma uma institução qualificada de nivel superior o seu diploma não sera questionado sobre sua validade, perante a nenhum orgão ou instituição, desta forma espero que voce tão jovem busque o mais rapidamente seu diploma em outra instituição, não fique esperando aonde esta pois as mudanças na instituição onde voce esta não aconteceram pois os que a dirigem não quer que voce seja valorizado apenas que voce faça parte do sistema, qual é o seu numero............corra va estudar

Anônimo disse...

Vejo nos jornais, o grande número de mulheres entrando no tráfico de drogas e as novas policiais femininas, além de despreparadas para trabalharen na rua, não sabem fazer b.o., prisões e ficam obesas, pois só querem saber de trabalho manso, iqual certos oficiais que só sugam o sangue de quem realmente trabalha nas ruas e muitas vezes, precisam do apoio das p.fens e desses oficiais moitas. Isto é um absurdo, pois ganham igual ou até mais, que os verdadeiros policiais, para ficarem na sombra. vamos mudar isso?

Anônimo disse...

Penso que sempre existiram os profissionais "bons de serviço", vocacionados e comprometidos, sejam eles da velha ou da nova guarda, como também sempre existiram e sempre existirão os "muchibas", independente do curso frequentado e da intelectualidade de cada um. O que sempre foi questionado por nós "dinossauros PM" é a lealdade e espírito de corpo que no passado, me parece, foi mais latente no seio da tropa. Infelizmente, temos hoje, sim, mais engomadinhos do que que haviam antigamente. Alguns, me desculpa a franqueza, menos comprometidos com a vida do seu companheiro de farda, talvez, incapazes de se doar mais em prol do irmão da caserna.No entanto, acho que isso não dá o direito aos mais antigos de desmerecerem nossos "novos companheiros" que também não têem o direito de menosprezar aqueles por sua "ignorância" talvez não tenham tido a oportunidade de acessarem os VADE MÉCUNS da vida.

Sergio disse...

Achei interessante a postagem e percebi a discrepancia que existe entre os diversos RPM, formei em 1994 na 10ª cia do 9°RPM e tenho e recebi o diploma do curso de formaçao de soldado e depois de formação de cabo,talvez o que deva existir e respeito e que cada um trate o seu semelhante como gostaria de ser tratado.

Anônimo disse...

pow, um colega anonimo postou que o primeiro diploma dele foi em 1996 em um curso de cfsd, ele afirmque fora a vinte e tres anos atrás, pow se foi em 1996 tem uns 15anos e pouco e nao vinte e tres, vish, o cara nem soube mentir...

Anônimo disse...

caros colegas, me formei em 1992 e recebi o diploma no curso de cfsd, mas e com triste que digo que não falhe me o papel no qual foi impresso, se vc se forma em uma estabelecimento de ensino seja qual for o diploma espedido por aquela instituição tem validade em todo o territorio brasileiro e ninguém, ninguém, podera contesta-lo verificando sua originalidade é claro, vc não sera obrigado a fazer provas que atestem sua capacidade pois o diploma que vc carrega diz que vc e habilitado naquilo que esta descrito no diploma, agora vejamos em 96 deixei as fileiras desta corporação e fiquei fora por um periodo de tempo e retornei as fileiras então solicitei o reconhecimento e curso que havia feito, anexei meu velho diploma expedido pelo batalhão onde havia me formado juntamente com pedido de reconhecimento o chefe daquela sessão fez o favor de destaca-lo e joga-lo na sexta sessão ou seja no lixo, este é o valor do diploma expedido pelas instituições militares, acordem, acordem enquanto a tempo, a desmilitarização se faz mais do que necessaria, temos que nos profissionalizar e solicitar reconhecimento junto a orgãos oficiais com o mec que despreza qualquer diploma expedido por orgão militar, acorde deste sonho profundo saia da matriz.

Postar um comentário

Comentários - Regras e Avisos:
- Nosso blog tem o maior prazer em publicar seus comentários. Reserva-se, entretanto, no direito de rejeitar textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional.
- O comentário precisa ter relação com a postagem.
- Comentários anônimos ou com nomes fantasiosos poderão ser deletados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.
- Clique aqui e saiba mais sobre a política de comentários.

 
Os pontos de vista aqui publicados são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando versões oficiais de quaisquer instituições.
© 2007 Template feito por Templates para Você - Deformado por José Ricardo
▲ Topo