Quem matou Pixote?

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Autor: *José de Almeida Borges

Esta é uma história real.

Sobrevivi pra contar,

Entenda como quiser

Mas não se apresse em julgar.

Sou apenas anteparo...

Dos problemas sociais,

Quando me chamam é porque

O mau, presente se faz.

Pixote era meliante

Vivia o crime a praticar,

Mik, fiel combatente

Sempre pronto a atuar.

Hoje posso afirmar

Com toda convicção,

Para o emergente Pixote

Não havia salvação.

Quem matou Pixote? Esta pergunta aparentemente ingênua e sem resposta plausível, era o que mais se ouvia das autoridades encarregadas de apontar os autores e as circunstâncias em que ocorreu o "Episódio Pixote", em Diadema.


Para quem não conhece ou nunca ouviu falar, Pixote era membro de uma família de classe pobre, denominada "metralha", o caçula de sete irmãos, sendo que três dos quais já havia tombado em confronto armado com a Polícia Militar; o quarto irmão e sobrevivente de outro confronto, no qual vitimou um policial, ainda se encontra preso, condenado por vários roubos e pela morte desse policial. Os demais irmãos sobreviventes, não tenho informação que fim tiveram.

O pseudônimo Pixote surgira de sua participação no filme de mesmo título, produzido pelo renomado cineasta e produtor cinematográfico Hector Babenco. Antes de qualquer participação em cinema, Pixote era simplesmente o adolescente F.R.S. Garoto endiabrado vivia praticando todo tipo de furto e roubo a residências e veículos, em Diadema e São Bernardo do Campo, sua área de atuação. A final, a escola para iniciação ao crime era a sua própria família. Sua tia sempre esteve ligada a contravenção do jogo do bicho, tendo essa atividade ilícita como principal ocupação e meio de sobrevivência, até os dias de hoje. Seus irmãos mais velhos e alguns primos já eram veteranos na arte de praticar o mau, constituindo assim uma verdadeira “família metralha”.

Dessa forma, não havia outro caminho a ser percorrido pelo pequeno Pixote. Por mais que tentasse outra saída honrosa, como o cinema, o meio em que vivia empurrava-o diretamente para o submundo do crime.

No permanente combate a criminalidade, o soldado Mik sempre cruzava o caminho dessa “família metralha”, deixando um ou outro tombado ou preso. O pequeno Pixote, ainda não demonstrava maldade em seu olhar de criança, sempre sorridente, como se não tivesse noção do perigo; o que demonstrava era coragem e habilidade no manuseio do “treis oitão” – gíria da época , referindo-se ao revolver cal.38, arma preferida da bandidagem, para confrontar a polícia. Assim, pouco a pouco, a família metralha assinava sua sentença, até chegar àquela fatídica tarde de 25 de agosto de 1987, quando a guarnição do soldado Mik foi enviada para averiguar uma solicitação de roubo a residência, que estaria ocorrendo nas imediações da rodovia dos imigrantes...

* José de Almeida Borges é 1º Sgt QPR PM da Polícia Militar de São Paulo.



Gostou desta postagem? Então cadastre-se AQUI para receber as atualizações do Universo Policial no seu e-mail ou no seu agregador de Feed/RSS.

5 comentário(s):

carlos guerreiro......... disse...

caro irmão muito bom texto,contudo aq1uele ditado que todos sempre ouvem..."o homem e produto do meio".Nem sempre isso e uma verdade,particulamente.....o restante todos ja sabm.........

Anônimo disse...

Me parece que a situação de Pixote é comum no Brasil, haja vista, a existência de famílias na mesma situação, ou seja, convivem com o crime como se fosse normal, e os que posteriormente vão nascendo dão continuidade a esta vida "normal", não se vê nenhum que estude ou de conticuidade aos estudos, enfrentam a polícia como se inimigo fosse, e só conseguem passar dos 25 anos de vida quando estão presos em uma penitenciária.

Savio Santiago disse...

Acho muito tendencioso o texto. infelizmente Pixote foi mais uma vitima da truculência policial!

Anônimo disse...

PIXOTE UM BANDIDO Q TV OQ MERECEU BALA

Armando Oliveira disse...

Infelismente é assim a vida do crime ,,,,, Uns morrendo e outros nascendo ,,,,não tem fim .

Postar um comentário

Comentários - Regras e Avisos:
- Nosso blog tem o maior prazer em publicar seus comentários. Reserva-se, entretanto, no direito de rejeitar textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional.
- O comentário precisa ter relação com a postagem.
- Comentários anônimos ou com nomes fantasiosos poderão ser deletados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.
- Clique aqui e saiba mais sobre a política de comentários.

 
Os pontos de vista aqui publicados são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando versões oficiais de quaisquer instituições.
© 2007 Template feito por Templates para Você - Deformado por José Ricardo
▲ Topo