Trabalhar brincando

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Dias desses, estava eu, meu sogro e meu Tio Ginin conversando. Meu tio falava sobre sua vida profissional. Ele nos contava que trabalhou quatro anos na Usina de Ana Florência, dois anos numa mineradora, trinta e dois anos na GE e já estava há sete anos na Data Engenharia. Como você deve ter percebido, ele tem uma longa carreira, muito mais de trinta anos de labuta, e continua trabalhando, e não fala em se aposentar (de fato).

Seus filhos já estão crescidos. Não trabalha apenas pelo dinheiro; já está aposentado (de direito) há muito tempo. Ele trabalha porque o serviço que ele faz é para ele como uma brincadeira. Assim ele próprio nos afirmou. Falou que se sente como um menino brincando. Quando eu entrei na PM, também me sentia como um menino brincado de super-herói.

Mas, infelizmente, hoje apenas faço "nada mais do que minha obrigação", pensando em voltar vivo para casa. Gostaria muito de trabalhar brincando, mas talvez eu tenha escolhido a profissão errada.

Meu avô, meu pai, meus tios, quase todos trabalharam ou trabalham na área industrial, no ramo da mecânica, eletricidade, usinagem e calderaria. De uma forma ou de outra, trabalham construindo, consertando, reformando... Enfim, trabalham diretamente com raciocínio lógico.


Eu até cheguei a fazer um curso pelo Senai de Mecânica Geral, no qual aprendi o básico de tornearia, ajustagem e usinagem em máquinas operatrizes CNC. Eu amei o curso, mas, naquela época, minha visão de "vencer na vida" era muito restrita ao lado financeiro. Achava que naquela profissão eu não iria receber o tanto que gostaria.

Comecei a cursar Ciências Contábeis e, dentro de pouco tempo, também me desiludi. Com 18/19 anos, achava que não aguentaria passar trinta anos sentado numa cadeira. Com o espírito juvenil, eu queria aventura, adrenalina. Em busca de ação, acabei ingressando na Polícia Militar.

Os primeiros anos na caserna foram de paixão pela atividade policial (claro que minha mente que sempre busca uma lógica não conseguiu encontrar nenhum sentido nos treinamentos sem sentido, bem como no ilógico fato de uma instituição militar que deveria ser civil).

Sem dúvidas que as duas contraindicações no exame psicológico do CFO jogaram um balde de água fria na minha motivação pela carreira. Todavia não foi só isso. Aliado a essas duas grandes frustrações, teve também o fato de eu não ter mais autonomia, de eu não poder mais pensar e decidir. Eu já saia para as ruas com um cartão programa a cumprir, tendo que fazer X operações em locais e horários já preestabelecidos. Sem poder pensar, tirar minhas próprias conclusões sobre onde a viatura deveria estar e o que minha guarnição deveria fazer, o serviço não teve mais graça para mim. Tudo ficou muito mecânico. Senti-me como um robô, uma máquina.

Em 2009, estando de férias, fui determinado a trabalhar na administração, onde ainda estou lotado. O choque foi grande. Larguei um curso superior porque não queria ficar atrás de uma mesa, e onde fui parar...? Como diz uma música católica, o mundo dá muitas voltas...

E nessas voltas da vida, acabei descobrindo minha vocação. Serviço administrativo? Não, pelo menos não necessariamente.

Em busca de uma forma de otimizar determinado serviço burocrático da seção, aprofundei meus estudos em Excel. Baixando apostilas da internet, fui aprendendo por conta própria, em casa, os recursos avançados desse poderoso aplicativo. Sempre em busca de melhorias, "de uma melhor forma de fazer", agora estou inclusive aprendendo o básico de VBA, um tipo de programação no Windows. Estou gostando tanto que parece até uma brincadeira. Como os leitores mais assíduos deste blog devem ter percebido, o Universo Policial anda até meio desatualizado. É que, em vez de atualizá-lo, eu fico aqui raciocinando essa linguagem de programação, tentando juntar esse "quebra-cabeça".

O negócio é que acabei descobrindo minha vocação genética. Nasci para pensar, amo o raciocínio lógico, problemas complicados, busca de soluções. Gosto de quebra-cabeças, construir, consertar, reformar... É de família. Não adianta lutar contra a natureza. Não nasci para ser máquina, para ser robô. Odeio cumprir ordens burras, sem sentido, na contramão da lógica.

Pena que demorei a encontrar minha aptidão profissional. E pena que agora, com apenas 27 anos, já me sinto tão cansado. Vou ter que encontrar forças (e dinheiro) para mudar a direção da minha vida, estudar três ou quatro anos (e mais o resto da vida me aperfeiçoando), trocar de emprego e ser feliz. Talvez eu faça como meu tio Ginin, meus pais e alguns dos meus tios e continue trabalhando mesmo depois de aposentado, pois na verdade não será um trabalho, mas sim uma diversão, uma brincadeira. Vou sentir alegria em ir para o serviço e, lá chegando, ter prazer em raciocinar, buscar soluções, encontrar o problema, solucioná-lo. Seja colocando a mão na graxa, seja desenvolvendo projetos de engenharia ou atrás de uma tela de computador programando, nasci para pensar, criar. Não sou apenas uma máquina que executa ordens ou comandos.


Que Deus me ajude a mudar o rumo de minha. E que um dia eu possa trabalhar brincado.

"Se a experiência nos ensina que a profissão que desempenhamos atualmente não é aquela para a qual nascemos, não devemos insistir nela. Se um homem não prospera nos seus negócios, apesar da persevarança no esforço durante um certo tempo, isso constitui prova de que não está no seu lugar."

"Cada pessoa, cada ser humano, tem o seu lugar indicado no concerto das atividades humanas e aquele que se achar desgostoso e impotente no lugar onde se encontra deve buscar logo um lugar que melhor lhe convenha e melhor se ajuste às suas aptidões naturais. O homem pode empreender qualquer tarefa, virar-se para o lado que quiser, mas um dia será forçado a trilhar o caminho que para ele a natureza traçou."

"O homem ansioso de vencer deve dedicar-se inteiramente à sua profissão, procurando continuamente aperfeiçoar-se nela. Poucas esperanças de prosperidade e fortuna podem caber àqueles que desperdiçam tempo e energias em ocupações provisórias, ao invés de se deterem na profissão mais de acordo com suas aptidões naturais. Aprender a fazer uma só coisa com a mais absoluta perfeição e no menor tempo - eis uma das chances de êxito em qualquer profissão"

"Quando o homem encontra o seu justo meio no mecanismo social, ainda que tardiamente, caminha rapidamente pela estrada do sucesso."


* Trechos do livro Direção e Liderança, do Prof. Alberto Montalvão.



Gostou desta postagem? Então cadastre-se AQUI para receber as atualizações do Universo Policial no seu e-mail ou no seu agregador de Feed/RSS.

20 comentário(s):

Anônimo disse...

Fazer o que gosta ou gostar do que faz?

Creio que o companheiro foi muito feliz em seu texto, confesso que nunca li algo que sentia tanto e não sabia como expressar. O nosso trabalho é exatamente desta maneira, talvez ao lermos os BGPM’s da vida não damos conta da grande quantidade de companheiros que “bem aventurados” conseguiram passar em concursos externos talvez por se sentirem da mesma forma. Porém, como pelo jeito não serei um desses “bem aventurados” terei ainda que tirar meus 15 anos na caserna e quem sabe no fim dizer como o Apostolo Paulo: “Combati o bom combate, completei a carreira, e guardei a fé”. 2 Timóteo 4:7
De seu amigo Arauto.

Anônimo disse...

Ola!
Tbm pretendo fazer este concurso, inclusive faco cursinho no CEMPRO mais estou um pouco preoucupada sobre o exame de vista.
Qual e o grau permitido pelo CFO?(para oculos)
Axu estremamente desnecessaria essa parte, o oculos ou a lente impede alguem de ser um bom profissional? Claro que não.
Mais adorei sua postagem, pq pessoal de cursinho sabe como q e neh pra ganhar dinheiro eles iludem mto a gente!
Apesar de meu pai tbm ser militar fico sempre em dúvida, pois antes de cvsar com os policiais do cursinho e tratar de assuntos da policia ficava extremamente no ar.
Adorei o Blog!
Msg linda!
Abracos Beatriz

Anônimo disse...

Meu caro, sinceramente penso a mesma coisa. Infelizmente trabalhamos em uma empresa que não se pode pensar. Onde apenas se executa ordens, onde apenas duas palavras são validas: "Sim Senhor".
Assim como vc entrei super motivado, corria atras, me preparava fisicamente e pscicologicamente para cada dia de serviço, era voluntário para tudo. Hoje faço apenas oq aparece, ou seja, aquilo que cai no meu colo.Estudo diariamente para qualquer concurso que seja forma da instituição.
Não queria estar assim, porém a instituição quer que sejamos assim, ela nao quer formadores de opinião nem que questionadores, mesmo que esse questionamento seja para melhorar o serviço, ela quer apenas que se cumpra as ordens dadas.
Meu caro, sei exatamente oq sente, de certa forma me senti aliviado em saber que esse sentimento não atinje apenas um mero subordinado como somos, falo agora dos soldados, vejo que o mesmo sentimento tambem chega a camada superior como a de V.Sª.
Obrigado pelo oq escreveu, me ajudou a concretizar mais ainda minha decisão.

Anônimo disse...

O autor do texto está corretíssimo em suas pontuações. E, para os críticos de plantão, sempre há tempo de mudar. Mudar de pensamento, mudar a postura, e MUDAR DE CARREIRA.

Conheço ex-PMs que acreditaram em seus sonhos, batalharam e, hoje ocupam colocações deslumbrantes aí fora. Conheci um ex-Soldado que desistiu da PM. Quis entrar na PRF, e foi duramente criticado por pares e superiores com aquele argumento tão desestimulador quanto nocivo, do tipo: "cara, você não vai conseguir. Entrar na PRF é quase impossível hoje em dia". Pois ele passou e hoje é patrulheiro aqui mesmo, em Belo Horizonte.

Também sei de ex-Oficiais que passaram em outros concursos públicos e estão bem (por "bem", não pense apenas no dinheiro, pense também na FELICIDADE) aí fora. Quero disponibilizar alguns links de reportagens com profissionais que em dado momento de suas carreiras, resolveram mudar suas vidas profissionais. Eles seguem abaixo, e é só copiar e colar na URL, e depois dar enter para assistir os vídeos.

http://www.pessoasdenegocios.com.br/ver_video.php?id=390

http://www.pessoasdenegocios.com.br/ver_video.php?id=245

http://www.pessoasdenegocios.com.br/ver_video.php?id=23

http://www.pessoasdenegocios.com.br/ver_video.php?id=21

Abaços,
Brothervip

Anônimo disse...

sargento apesar de nao ser seu amigo intimo adimiro muito a sua pessoa. tem gente que nasceu pra determinada atividade, e se encaixam ele ai ai eh sucesso. nao eh o seu caso, voce eh um kamarada fora de serio ja provou isto, na rua foi brilhante operacionalmente e hoje na adm ainda mais. isto prova que onde colocarem o sr vai se dar bem. a nossa hora um dia chega. vou dar um ex na corporaçao os antigos sabem, sgt francis, hoje ten francis, que por inveja de alguns muitas vezes foi barrado nos concuros, como dizem sempre puxam o tapete. esta ocorrendo com o senhor agora. mais nada pode barrar o genio, e principalmente o genio motivado, que eh o seu caso. mais nunca perca esta motivaçao, ela que move o homem e tranforma o mundo. onde voce tiver na pm vai ter o seu valor, e o senhor pode estar em qualquer lugar aqui, porque eh capaz. mais nao desanime,as pessoas de carater aqui da instituiçao te admiram e muito, pode ser que voce nao sabe, e apesar de recruta na pm ja fez a sua historia. hoje o senhor eh sargento, mais sobra capacidade para ser coronel, e o homen la de cima ja traçou o destino do monteiro, so com o tempo ficaremos sabendo. por hora so gostaria que desfalcasse a adm e viesse pro tatico.... ai sim iriamos arrebentar de verdade.
cb soares. abraço

Anônimo disse...

Caríssimo sgt, foi um pouco chocante ler esse texto. Deu-me a impressão de que certos costumes da instituição não terão conserto. A sua participação com este site é fundamental para se buscar um dos principais objetivos de mudança na instituição: a valorização da competência e da criatividade.
Percebo que algumas frustações o desmotiva, mas se o senhor soubesse de alguns exemplos de superação que existem na tropa, talvez mude de opinião. Pensar como o senhor está pensando deveria ser uma preocupação para a PMMG. Pessoas com sede de justiça mudaram a história da pm; hoje se sofre menos que antes.
O principal problema de nossa instituiçao é o mal uso da hierarquia e disciplina,além de outras formas de supressão de direitos que acontencem na administração, principalmente.
A instituição, no meu ponto de vista, tem espaço para todas as competências e habilidades profissionais. Mas enquanto o espírito do homem for arrogante e egoísta, o espaço de melhoria será sempre reduzido.
Seu texto reflete uma realidade que pode mudar um dia...espero...

Diego Magalhães,sd pm

Leonardo Henrique disse...

Bom Dia!!!
Parabens pelos textos, principalmente esse!!
Muito bom mesmo!!!!
Boa Sorte ai!!
Abraços,

Leonardo Henrique
http://blorgaria.wordpress.com/

Anônimo disse...

Bem, sargento, eu já tinha lhe enviado um e-mail quando eu ia me mudar para BH. Eu fico lendo o seu blog, e acho um barato as idéias que você joga, a vida que vive, tem muita similaridade com a minha.

Esse derradeiro post que fez... kk... Chega a ser piada. Só esse ano que eu realmente encarei o que quero para minha vida. Talvez eu siga os mesmo passos que você; talvez faça um CFS pra grana aumentar e assim terminar minha faculdade, porque a grana de Sd é baixa. Eu não sou mais da PM, agora pertenço ao BM. Não passei no CFO da PM e nem sei se farei mais provas para o CFO. Eu digo: faça um novo curso e seja feliz, porque militarismo ainda é pra burro no nosso Brasil, povo de cabeça mais fechada.

Eu trabalho com algumas pessoas que são osso duro de roer. Já fiz duas faculdades, larguei e nao formei. Não me arrependo tanto, pois conheci pessoas boas, que eu sei que Deus guiaram elas pra mim ou eu até elas. Aprendi a ser mais humilde e sei que devo melhorar.

Hoje moro sozinho. Com 22 anos, não dou despesa para os meus pais. De certa forma, sou independente. É quase um motivo de orgulho, mas muita coisa que sei eu não posso opinar no serviço operacional, porque tem pessoas mais antigas; é um saco isso.

Eu fico vendo as fico só caladão, observando. Faço o que me mandam. Ainda sou uma máquina lá; é assim que querem que eu seja, só mais uma engrenagem.

Vou fazer faculdade de psicologia e dar aula, vou sofrer em algo que para minha vida faça sentido. Minha meta é ser professor, se esse comando ajudasse e me mandasse pra Uberlândia, lá tenho ainda minha vaga na federal, mas é a vida, cada um tem o que mereçe.

O gerente lá de cima não é um cara injusto. É só fazer por onde que as coisas acontecem.

Sou grato por isso; fico feliz quando você posta porque eu sei que é uma pessoa mais cabeça aberta. Eu trabalho só com pessoas que tem quarta série, muita gente velha que nao aceita novos conceitos. Não é desmerencedo eles, mas é triste o ambiente. Não posso falar de Sartre, Freud, nada de filosofia, acham que eu uso droga por falar de assuntos que não são tão comuns no dia-a-dia, por isso aprendi a ficar calado pra não ser zuado. É a vida...

Ainda quero te conhecer, mesmo nunca tendo te visto te admiro cara.

Fica na paz!
Abraço e sucesso!

Anônimo disse...

Cara, muito bom o texto.

O meu caso tem algo de semelhante, porém, algo que nunca aceitei até hoje: nunca trabalhei onde quis. No interior, quando destacado, tirava guarda de cadeia e, por nao ter CNH e nao ser credenciado (n tinha dinheiro até entrar na PM), só serviço ruim, SOF e Cadeia. Cadeia e SOF. Passei no bendito CFS e vim pra capitar. Aqui, após formar, fui direto pro serviço administrativo e estou até hoje. Com 6 anos de casa nunca trabalhei onde quis, e nao foi por falta de tentar. Ordens são ordens. Hoje falo, com tristeza, que a pm partiu minha alma de serviço operacional no meio. Quando trabalho na rua, trabalho com medo e com o preconceito dos militares operacionais, pq sou adm. Ae estou levando a vida, com medo e pensando no que fiz de errado. Só tenho cadeia. No dia que prendi assaltantes, dei tiro o caralho a quatro, ganheri menção elogiosa escrita. Hoje, qdo me dizem que vou ganhar algo, recuso, pq não quero mais. Com 6 anos de casa aprendi uma coisa importante: a desvalorização do profissional.

Apesar disso, como vim de família pobre, agradeço a PM por ter pago minhas contas e ajudado minha família.

No mais, acho que seu texto, companheiro, é um grande desabafo. Hoje já perdi as esperanças de mudar, depois que a PM me partiu no meio, minhas vontades e meu orgulho.

Um abraço

zecarlos disse...

Texto emocionante. Faz a gente pensar nas escolhas diversas que fizemos e faremos ao longo dos anos. Que DEUS nos dê sabedoria para escolher o caminho certo e que ilumine as mentes das pessoas que com suas decisões, influenciam a vida de muitas pessoas.

Anônimo disse...

quando eu entrei para a pm entrei porque meu sonho era ser policia. como soldado ganhava menos que no emprego que abandonei, meu irmao me disse: ce ta louco, ganhar menos e arriscar a vida. tambem fui trabalhar de primeiro turno no forum, curiango sera que os novatos sabem o que eh curiango? eu falo pro pessoal de hoje e eles me perguntam o que eh isto. mais isto nao me desanimou e a primeira chance que tive de sair daquele curiango agarei, queria trabalhar de viatura. me lembro que estava eu de pa ai faltou o patrulheiro da viatura ai o sargento passou e me pegou pra trabalhar com ele, estava faltando 2 horas pra terminar o turno ai ele disse que teria de me dispensar, pois nao ia ter como me recompensar as horas, eu fiquei puto pois a chance que eu tinha de mostrar meu potencial como patrulheiro estava curta. pedi pro sgt trabalhar ate o final estava disposto de perder as horas. ele disse negativo pois podia dar zetel ai eu ia estar desamparado, mas como era um homen sabio ele viu meu interesse pelo serviço e me adotou como seu patrulheiro, e assim fiquei por longos anos. em outra ocasiao citarei seu nome porque eh exemplo de policial e foi meu mestre na pm. em suma eu entrei pra ser policial e isto ta bom pra mim porque sou profissional de corpo e alma, nao que eu deva ser um excelente policial, mais eu dou tudo de mim para se-lo. eu amo a instituiçao e nao entrei aqui para ganhar dinheiro, nem fazer da pm trampolim, eu faço o que gosto, e procuro fazer da melhor forma. infelismente tem muitos soldados que saem do cefap com a apostilha debaixo do braço, pra tentar outro concurso ou mesmo se graduar na pm, so serve se for sgt ou oficial. nao que nao devam pensar em crescer, mais o que parece que sao um bando de mauricinhos sem dote para a profissao, infelismente ser policia eh serviço duro, eh pra gente rustica, as vezes tem que sujar a farda, rastejar no egoto senao voce morre. e nao venham pra minha viatura com apostilha debaixo do braço nao porque trabalho eh trabalho, e se depender de mim estes mauricinhos nao vao fazer a pm de trampolim nao, tem muita gente ai fora que querem, e acho que os salarios de hoje atrairam os intelectuais para a pm. e aqui nao ha lugar pra intelectuais, aqui eh pra quem naceu pra ser policia, e se nao nasceu, aceita forjar seu corpo e alma. chega de muchibagem. aqui nao tem lugar pra enrolaçao.

Anônimo disse...

Inicialmente gostaria de parabenizar o autor pela qualidade do site. São artigos interessantíssimos sobre os mais diversos assuntos relacionados à atividade policial. O presente artigo me chamou a atenção de modo especial porque nele vi muito de minha própria vida, minha carreira, muitos pontos de vista em comum.
Assim como o autor e eu, a maioria, arrisco até em dizer que todos, em algum momento da carreira policial militar, sentiram-se ou se sentirão frustrados. É algo inevitável. As fontes para nos desmotivar são muitas...
Adota-se na PM um estilo de gestão arcaico, negligenciando o que toda empresa tem de mais valioso: o seu recurso humano, o que fica bem evidenciado durante os cursos de formação. Forma-se para cumprir e executar apenas.
É certo que há muitas situações no “teatro de operações” não há possibilidade de questionamentos, como durante o gerenciamento de crises, por exemplo, mas isso deve ser tomado como exceção e não como regra.
Gostaria de transmitir ao autor que, sem dúvida, no serviço administrativo (pelas ferramentas de trabalho descritas no texto, acredito que seja um trabalho de Geoprocessamento e Análise Criminal), você poderá desenvolver melhor o raciocínio lógico, resolver problemas complicados, buscar soluções. Pela qualidade deste site, estou certo de que fará um trabalho primoroso! No entanto, não se iluda com serviço administrativo. Continuará a “cumprir ordens burras, sem sentido, na contramão da lógica”. Além de suas atribuições administrativas, em seus dias de folga você será empenhado em jogos no Mineirão, Axé Brasil, Banda Mole ... folgará apenas dois dias no Carnaval, sob o pretexto de “complementação da carga horária”. Contará também com a incompreensão dos companheiros da área operacional, dos quais muitos julgarão seu trabalho desnecessário, apesar dos seus esforços na busca de melhorias para o serviço, em suas horas de descanso e com seus recursos financeiros próprios. Não haverá o devido reconhecimento desse esforço não apenas da tropa mas também do comando.
Deixo a mensagem não para desestimular, mas para que continue trabalhando por uma mudança no perfil da nossa Instituição e difundindo esta necessidade, pois é a com ação de cada um que se constrói um ambiente de trabalho melhor e não esperando mudanças apenas dos níveis hierárquicos superiores. E que DEUS o ilumine nessa mudança de rumo na vida!!!

Felipe Amaro disse...

sr SGT pmmg , acredito que tudo na vida tem um significado , li o texto , e o que eu tenho para comentar, é que devemos acreditar no melhor , todos os dias , por isso estarei sempre torcendo por pessoas como o sr , que possuem a coragem de arriscar ,e de sempre inovar as forças , todos já sabiam que o sr é uma pessoa de talento e que na pmmg ,talvez por causa da burocracia e do sistema hierarquico , nunca foi aproveitado devidamente, mais o sr tentou várias vezes , sou testemunha ! sei que vai ter sucesso lá fora ! mais deixo a minha humilde opinião , se um dia o sr sair , quem vai sai perdendo é a gloriosa pm de minas.

Anônimo disse...

Eu que nem o conheço pessoalmente,o admiro, pela sua capacidade, demonstrada em seus artigos e nos serviços que nos presta diariamente em seu site. Com certeza senhor sgt que todos nós temos a perder com a sua saída.

Hamurabi. disse...

Caro Sargento José Ricardo,
Boa noite.

Concordo com você em todos os sentidos, e o meu sentimento profissional é semelhante ao seu; só que quando era ainda jovem não tive forças suficientes para deixar a instituição, pois havia muita paixão pelo serviço e fiquei com medo de arrepender-me mais tarde, mesmo que fosse m outra profissão mais bem sucedida.

Tenho mais de 22 anos na PMMG, e com o tempo de EB mais as férias premio e anuais contadas em dobro, faltam menos de 4 anos pra sair. Não vejo a hora de este sonho tornar-se realidade. Já estou ha algum tempo fazendo planos pra fazer algo que sempre tive admiração e fascinação e quando passar pra reserva quero trabalhar em algo que não me atrapalhe as minhas noites de sono nem cause extress. Com fé em Deus, serei biólogo. Já está tudo planejado.

Agradeço primeiramente a Deus e depois ao meu esforço e a PMMG por tudo que construí na vida.

A Gloriosa PMMG me ajudou muito a amadurecer em vários aspectos, moral, social e como cidadão, principalmente porque entrei para o serviço ainda jovem e em fase de formação e amadurecimento. Por isso, sou eternamente grato à nossa instituição.

A princípio, ingressei na PMMG por vocação, por sonho. Por isso, sempre me dediquei inteiramente ao serviço, defendendo com paixão o nome da instituição contra qualquer um que a criticasse ou ousasse ofendê-la. Já até interpelei até amigos ou parentes por falarem mal da PMMG, e ainda faço isso até hoje.

Entretanto, com o passar dos anos as coisas foram se tornando mais claras e percebi que muitos acontecimentos, provenientes de puras vaidades e prepotências de alguns, que acham que são "donos da PMMG", os quais atropelam leis e ignoram direitos legalmente constituídos e ainda defendem que a analogia do direito deve ser feita sempre em prol da administração e nunca em prol do bem mais preciosos (o servidor), fui perdendo aquele "embalo" e deixando de ter ideais dentro da instituição. Desisti até do CHO o qual havia planejado quando ainda era um jovem sargento, mas depois que pude concorrer, já como 1 Sgt, desisti antes mesmo de tentar, pois não é mais meu objetivo.

Por outros motivos e pelos motivos os quais o jovem sargento José Ricardo citou, a vida profissional na PMMG está ficando cada dia mais estressante e cansativo, influenciando na nossa vida familiar e social. Tem havido muita cobrança em cima de coisas que não temos culpa de estar acontecendo. As metas políticas como redução de ICV, etc. está tirando do sério todos os que ocupam cargos de chefia, como se a PMMG fosse a única responsável por resolver os problemas que afligem a sociedade. Achava que era só comigo, mas alguns colegas já me disseram que também deitam, sonham e acordam pensando em redução de ICV.

Se as coisas não tomarem outro rumo vão enlouquecer não só os mais velhos, mas também os jovens soldados. Então, o futuro da instituição, só Deus sabe.

Por fim, desejo muita paz, muita tranqüilidade e muita reflexão ao Sargento José Ricardo e todos os leitores que também passam pelo mesmo problema.

Mas acredite, caso faça a opção em continuar na profissão, terá muitas alegrias e satisfações ao longo da carreira, mas também nunca deixará de ter as presentes amarguras e decepções, a menos que novos rumos direcionem a nossa instituição.

Abraços a todos.

Hamurabi.

Lima disse...

Li seu texto acima e fico a imaginar quantos de nos não tem este mesmo dilema.. Eu mesmo volta e meia me pego a imaginar sobre quantas coisas passamos para levar tão a serio nossas vidas. Querer voltar pra casa vivo. Nosso sonho diario. Apos tantos anos de serviço em RO´S, TM, PRABAN´s e etc eu acabei por me decidir ir para uma unidade mais "calma" e menos arriscada, isso apos decidir-me casar ja que decididamente era casado com PMMG a qual se fazia uma esposa por demais ciumenta que e exigia de mim tudo que eu pudesse dar alem do que nunca estava satisfeita. Por fim apos mela me levar alguns bons anos de serviço, boa parte de meu entusiasmo, a maior cota de saude fisica (dois joelhos estourados em serviço sem contar as inumeras varises - contribuição dos POG´S sem sentido nas madrugadonas de 1994 e Policiamentos de Choque) e mental ainda sinto que posso mudar de paradigma e enxergar a nossa labuta como uma boa brincadeira. Perigosa mas prazerosa tambem.
Agradeço pelo que escreve e se posso aconselha-lo (ja que nem sei quem e ou sua graduação), acredito que deveria começar (se ja não o fez) um esboço de um bom livro. No final, ler muda as pessoas..

Parabens pelo site apesar de que eu quase não o visito mas recebeo os post q são enviados via email..

Daniel disse...

Meu nobre colega, tenho muita admiração pelos seus textos que sempre têm um toque de muita inteligência. Este, por exêmplo, eu extraio mais uma lição. Certa vez, quando ainda era soldado, meu comandante de guarnição me disse: Filho, nós precisamos ser mais alegres, o policial de forma geral é uma pessoa muito triste, talvez por lhe dar, diretamente, com as mazelas sociais. Então, perguntei a ele o que poderíamos fazer para não cairmos na passada. Ele me respondeu: Sorri é um bom começo, traz conforto pra alma e alegra nosso interior. Hoje, como comandante de guarnição, procuro passar isso para meus parceiros. Não podemos trabalhar "brincando", mas podemos trabalhar sorrindo, podemos, sim, ser pessoas alegres. Afinal, sômos escolhidos por Deus para sermos autoridade, para que possamos levar tranquilidade àqueles que precisam. Um abraço, felicidades.

Anônimo disse...

Sr sgt, sei que não me conhece, mas venho através desta te parabenizar pela sua capacidade e, apesar de ser novo, experiência.Trabalho em destacamento e tenho um grande comandante sgt, mas ele não teve a visão que o senhor tem de estudo continuo, pois parou como sgt. Sei que o senhor vai longe e com certeza se o senhor sair da pm só nós vamos perder.

DE: Um soldado que também busca melhorar.

Jeferson disse...

olá Ricardo!sempre fui amante da leitura(filosofias de liderança,gestão e relações interpessoais),tbm m sinto sufocado as vezes,pela forma em q "se deve ser,fazer o serviço d policia".algumas leituras têm m ajudado bastant.fiacam algumas sugestões como:Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas,Nunca Desista dos Seus Sonhos e Heróis de Verdade. sucesso!

José Ricardo disse...

Agradeço a todos que comentaram nesta postagem. Às vezes, é preciso tirar esses "pesos" do nosso coração e desabafar. A gente se sente mais aliviado.

Um grande abraço a todos. E que Deus nos ilumine e nos ajude a encontrar o nosso lugar no conserto das atividades humanas.

Sinceros agradecimentos.

Postar um comentário

Comentários - Regras e Avisos:
- Nosso blog tem o maior prazer em publicar seus comentários. Reserva-se, entretanto, no direito de rejeitar textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional.
- O comentário precisa ter relação com a postagem.
- Comentários anônimos ou com nomes fantasiosos poderão ser deletados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.
- Clique aqui e saiba mais sobre a política de comentários.

 
Os pontos de vista aqui publicados são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando versões oficiais de quaisquer instituições.
© 2007 Template feito por Templates para Você - Deformado por José Ricardo
▲ Topo