Dez minutos para viver

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

* Roberto Kusiak

Temporal anunciado no serviço de meteorologia. Mais uma noite chuvosa e sonolenta de serviço. Talvez um acidente para atender e mais nada. Era sempre assim. Estávamos um pouco desanimados. Gostávamos de noites agitadas, de correria, de perseguição à vagabundos, de prisões. Gostávamos de ser polícia, eu e meu parceiro. Dois veteranos, quase vinte anos de serviço. Corações já endurecidos ao longo dos anos. Não sentíamos pena de vagabundo, muito pelo contrário, sentíamos sim, uma vontade de mandá-los para o outro lado, de limpar a cidade. Não importava quanto sangue o vagabundo derramava. Como disse, nossos corações estavam muito bem guarnecidos por uma crosta intransponível de quase vinte anos de crimes, de sangue, de choros, gritos, tiros.

Paramos a viatura embaixo de um galpão da RFFSA para tomarmos um gole de café que eu sempre tinha comigo na viatura. Aproveitamos para desembaçar os vidros e esticar as pernas. Pelo rádio ouvimos a central despachar outra viatura para atender a um acidente na rodovia, grave, segundo o rádio-operador.

Não foi preciso palavras, apenas nos olhamos. Estávamos há mais de seis meses trabalhando juntos. Sabíamos, apenas pela troca de olhares, o que precisava ser feito. Jogamos os copos de café fora e saímos em direção ao acidente. A chuva aumentou. Vinha acompanhada de um vento muito forte que fazia a viatura balançar. Chegamos ao local do acidente antes da outra viatura, onde estavam dois colegas recém formados, inexperientes ainda. Também fui novato, ninguém nasce sabendo. Também colei as placas em momentos de tensão. Os anos encarregaram-se de me dar a experiência que hoje tenho.

O veículo havia saído da pista. Chocou-se contra um pinheiro no acostamento. O motorista estava preso nas ferragens, ainda vivo. Enquanto meu parceiro verificava as condições dos ocupantes do veículo, instantaneamente eu sinalizava a rodovia a fim de evitar outro acidente. Era sempre assim que fazíamos. Éramos mais que uma dupla, éramos uma equipe, nos desdobrávamos nas funções, automaticamente.

Quando a outra viatura chegou, orientei os colegas para sinalizarem melhor a rodovia. Nesse instante, meu parceiro que havia descido o barranco, gritou para um dos novatos.

- Desce aqui e me dá essa capa de chuva.
- Mas eu vou me molhar.
- Anda logo caralho. Tem um bebê aqui, porra. Desce.

Quando vi o novato chegando perto da viatura com o bebê no colo corri, abri a porta de trás para que ele colocasse o inocente no banco, onde verifiquei seus sinais vitais. Estava congelado, muito pálido. Apresentava sinais de hipotermia. Não pensamos duas vezes. Meu parceiro voltou para o veículo batido enquanto eu corria para o hospital com o bebê. Não havia tempo para esperar a chegada das ambulâncias. Acelerei aquela lata velha e saí cortando o temporal.

A pista estava encharcada, mal conseguia manter a viatura estável. Precisava correr e não podia. Olhava pelo retrovisor o bebê no banco de trás, imóvel. A chuva e o vento faziam a viatura balançar. O limpador do pára brisa estava ligado no máximo, mesmo assim não dava conta de mantê-lo livre da chuva. Uma agonia foi tomando conta de mim. Um aperto no peito. Uma vida estava em minhas mãos, a vida de um inocente. A imagem de minha filha apareceu como uma projeção na noite. Eu precisava correr.


Foram os oito quilômetros mais longos de minha vida. Do local do acidente, até o hospital. Pelo rádio da viatura pedi para que deixassem o hospital em alerta para quando eu chegasse. No meio do caminho cruzei com as ambulâncias do resgate. Pensei em interceptá-las, mas não dava tempo. Melhor continuar. Tentava em vão acelerar mais a viatura. A chuva e o vento aumentavam. Eu não podia por em risco aquela criatura. Minha agonia foi aumentando. O risco de uma aquaplanagem era enorme. Andava no limite. Um olho na pista, outro no bebê, imóvel no banco de trás.

Cheguei ao hospital e, para minha surpresa, não havia nenhuma equipe à minha espera. Caralho. Peguei o bebê em meus braços e abri a chutes a porta da emergência. Como sabia onde ficava a sala do atendimento, fui direto para lá. No caminho já ordenei que trouxessem cobertores. Sim, ordenei, não tinha tempo para pedir favor. Prontamente as enfermeiras atenderam. Coloquei o bebê sobre a maca e dei espaço para as enfermeiras e o médico trabalharem. Ele abriu os olhos, chorou. Procurou naquele ambiente um rosto familiar. Foi quando aquele pequeno olhar encontrou o meu. Ele estava vivo, sim, vivo. Segurei sua pequena mão por um instante. Senti aqueles dedos frágeis e gelados apertarem minha mão. Ele parou de chorar e me olhava, no fundo dos olhos. Tinha apenas seis meses de vida.

Precisava voltar ao local do acidente para ajudar os colegas. Avisei as enfermeiras que voltaria depois e que havia mais vítimas. Embarquei na viatura e saí rasgando a noite. Apesar do temporal no lado de fora. Baixei o vidro da viatura e deixei a chuva que batia em meu rosto, lavar os pedaços daquela parede intransponível que, até então, envolvia meu coração e que saía em forma de lágrimas pelos meus olhos.

Mais tarde, depois de todos os procedimentos, voltamos ao hospital. Dudu, o bebê, dormia, aquecido, como um anjo. O médico nos informou que ele não havia sofrido qualquer tipo de lesão. Mas, se não tivéssemos levado ele ao hospital naquele momento, teria morrido em menos de dez minutos por hipotermia.

---- Fim ----

Autor: Roberto Kusiak, soldado da Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Sul, trabalhando atualmente no 5º BPM, na cidade de Montenegro, próximo à capital. Nascido em 1970. Desde 1990 convive com os horrores do mundo cão, com o lado sujo que não sai na imprensa. O papel e a caneta tornaram-se, para ele, um meio de estravazar o estresse, imperceptível aos meros espectadores. Blog: http://www.roberyk.blogspot.com/



Gostou desta postagem? Então cadastre-se AQUI para receber as atualizações do Universo Policial no seu e-mail ou no seu agregador de Feed/RSS.

7 comentário(s):

Márcio disse...

Caramba...
sem palavras,somente a parede intransponivel do meu coração se quebrando...!!!!

Manoel Roberto disse...

É ... Meus amigos, as vezes as nossas lágrimas de sentir em nossos olhos a sensação do dever cumprido e de salvar vidas alheias que é a missão do Bombeiro Militar, mas que também é a nossa missão da PM como que um relâmpago que as vezes nos vemos envolvidos não só na missão de combater a violência, mas de também socorrer vidas é que nos faz de um modo ou de outro fazer-mos "felizes de ter salvado alguém", nesses momentos é que vemos a mão de DEUS sobre nós, e isso é muito gratificante. Aí é que temos que agradecer a todos os instantes de nossas vidas porque sempre temos que agradecer a DEUS por tudo, principalmente quando salvamos alguém, e nesse momento de agonia como relatou o nosso amigo Policial do Rio Grande do Sul, vemos nossos "filhos, familiares" e nos sentimos como se esstivessemos salvando um deles. Esse é o sentimento e a certeza do dever cumprido mais bonito que temos em nossas carreiras de Agentes da Segurança Pública... nos arriscamos nossas vidas o tempo todo, quer combatendo a bandidagem, quer salvando vidas e fora as outras atribuições que nos são confiadas. "Parabéns Policiais Militares, Civis e Bombeiros Militares". Nesse momento não importa o quanto ganhamos, o que importa é que "VIDAS ALHEIAS" salvamos também!!! DEUS ABENÇOE A TODOS, e que Ele nos proteja sempre ao deixar os nossos lares e ao retornar pra casa e ver o sorriso de nossos familiares!!!

Elizeu Felipe.. disse...

Boa Dia meu companheiro...
É muito gratificante voltar para o seio de nosso lar com a sensação do dever cumprido.Eu me orgulho de ser Policial Militar de Minas Gerais há dezoito anos,vivo socorrendo a sociedade,que muitas das vezes não reconhecem nosso trabalho,sendo que em certas ocasiões sacrificamos a propria vida em prol de outra,pessoas que vc nunca viu,mas em função do serviço vc faz com afinco,sem medir esforços..Nós somos o orgulho para nossa família.

Anônimo disse...

Nossa gente, isso é triste, muito mas muito triste. Tem gente que ainda fala que ser um policial é facil, é so atirar no bandido e ficar sentado tomando cafezinho, mas isso nunca foi é nem será verdade, mais de milhões de policiais morrem no Brasil por causa de pessoas que acham que e o dono do mundo e que podem fazer o que quizer. Isso é uma triste realidade mais milhões de pessoas querem ser policiais, e por isso eu digo os policiais ( Alguns ) são nossos heróis que protegem nossas vidas por uma migalha e então ser policial e um anjo de Deus, policial é da nossa Nação ! Ser policial e uma profissão díficil por essas pessoas sabem que podem morrer a qualque hora...

Anônimo disse...

Parabéns pelo seu trabalho, é admirivél.Essa história é realmente emocionante, é muito bom saber que existem policias que se dedicam para fazerem seu trabalho bem feito. É uma pena que muitas pessoas não valorizem esse trabalho, não reconhecem que vocês arriscam suas vidas para garantir a segurança dessas mesmas pessoas que não os valorizam. Enfim... parabéns novamente e o blog é muito interessante.

Anônimo disse...

Uma profissão, honrosa, apesar dos obstáculos, um herói atual,um policial é mais do que um profissional de Segurança Pública,transpasssa suas funções, até mesmo no âmbito de assist~encia social, este mesmo profissional és incumbido de resolver todos os problemas que os outros ramos da Administração Pública, não conseguiu, como por exemplo por causa da falta investimentos educacioanais, hospitalares, sociais, culturais, entre outroso policia vive coibir os marginalizados em que o próprio Estado os criou. Espero um dia fazer parte desta vultuosa profissão estudando muito. Alex Freire Aguiar

Anônimo disse...

Em meio a tanta sujeira,violência,corrupção e injustiça,é bom saber que existem proficionais competentes e dispostos a salvar vidas exercendo bem sua profição.

PARABENS

Postar um comentário

Comentários - Regras e Avisos:
- Nosso blog tem o maior prazer em publicar seus comentários. Reserva-se, entretanto, no direito de rejeitar textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional.
- O comentário precisa ter relação com a postagem.
- Comentários anônimos ou com nomes fantasiosos poderão ser deletados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.
- Clique aqui e saiba mais sobre a política de comentários.

 
Os pontos de vista aqui publicados são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando versões oficiais de quaisquer instituições.
© 2007 Template feito por Templates para Você - Deformado por José Ricardo
▲ Topo